14 de março de 1942

14 de março de 1942


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

14 de março de 1942

Março de 1942

1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031
> Abril

Guerra no mar

Submarino alemão U-133 afundado por uma mina com todas as mãos longe de Salamina

Extremo Oriente

As primeiras tropas americanas chegam à Austrália



14 de março de 1942 - História

Kentucky - 47 (treinador principal: Adolph Rupp)

JogadorFGFTFTAPFPts
Ermal Allen01121
Waller White11213
James King02302
Carl Staker11133
Kenneth England424110
Lloyd Ramsey00000
Milt Ticco500110
Melvin Brewer501110
Marvin Akers32228
Totais 19 9 14 11 47

Grandes Lagos - 58 (treinador principal: J. Russell Cook)

JogadorFGFTFTAPFPts
Forrest Anderson (*)31227
Bob Calihan500310
Dick Klein624314
Ernie Andres513311
Lee Huber (*)21115
Frank Baumholtz11203
Bill Menke20004
Jim Van Orsdel10002
George Rung10002
Totais 26 6 12 12 58

Resultado do intervalo: Great Lakes 30, Kentucky 17
Funcionários: Dan Tehan e Bud Surface
Presença: 9.000
Arena: Jefferson County Armory
Referências: Louisville Courier-Journal e Lexington Herald

Redação do jogo - por Tommy Fitzgerald, Louisville Courier-Journal

Great Lakes Five Downs Kentucky Wildcats 58-47

São Xavier supera homens em Prelim

Jogos ganham $ 6.000 para ajuda da marinha

Os Grandes Lagos - aquela grande coleção de cinco corpos de água doce - enviaram seu time de basquete de Treinamento Naval - outra grande coleção de corpos de aparência nova - para Louisville no sábado à noite e não precisou de uma multidão de 9.000 pessoas, a maior assembléia para um jogo de basquete no Sul, muito tempo para discernir qual dos Grandes Lagos foi nomeado após seu time de basquete. Foi Superior, todos concordaram, quando os marinheiros entregaram essa marca de basquete para derrotar a University of Kentucky, campeã da Conferência do Sudeste, por 58-47 em um jogo interessante, embora unilateral, que deve render $ 6.000 ou mais para o Sociedade de Socorro da Marinha.

O jogo em si poderia ter sido muito mais disputado se Kentucky pudesse ter acertado alguns dos muitos arremessos que levou no aro indescritível nos primeiros 13 minutos de jogo. Os Cats, no entanto, não conseguiram acertar nada e passaram-se 13 minutos tristes para o treinador Adolph Rupp antes que Mel Brewer finalmente acertasse o primeiro field goal do Reino Unido em uma rebatida.

Até Mel entregar, estava começando a parecer que os próprios gatos não poderiam ter atingido os Grandes Lagos se tivessem caído neles.

Esta errância de arremesso permitiu aos marinheiros, que lançaram gols canhotos, destros, underhanded, overhanded, de duas mãos e para todos, exceto de segunda mão, para acumular uma vantagem de 21-4.

Conseguir 17 pontos atrás dos marinheiros equivale a ficar atrás de tantas oito bolas. Depois que Brewer quebrou o gelo, os Cats mais do que igualaram o cubo dos Sailors por cubo, mas não poderiam ter superado os Tars com clorofórmio.

Com Kenny England, que dividiu as honras dos Cats com Milt Ticco com 10 pontos, liderando o ataque, os Cats lixaram a grande protuberância da Marinha para 30-17 no intervalo. Por duas vezes no segundo tempo, os Cats chegaram um pouco mais perto - com 30-19 e 58-47, a contagem final - mas 11 pontos foram a sua aproximação mais próxima após os primeiros 10 minutos de jogo.

Tentar nomear uma estrela na equipe dos Grandes Lagos é como tentar afirmar que só existe um peixe nos Grandes Lagos. Quase todos eles são ex-universitários todos americanos e cada um é notável em sua moda, mas a noite passada foi a vez de "Junie" Andres, o Jeffersonville, Indiana, o garoto e o grande Dick Klein brilharem com um pouco mais de brilho do que o outros.

"Junie" assobiou através de cinco arremessos longos perfeitos e depois de um tempo começou a testar a credulidade do cliente de que tudo estava no nível. Eles começaram a suspeitar do uso de espelhos ou de algum outro truque mágico.

O enorme Klein, um ex-americano da Northwestern, controlava o conselho do banco como se fosse o acionista majoritário. Ele estava quase imparável com rebotes e espirros ao marcar 14 pontos somente no segundo tempo.

Entre as metades, o governador Keen Johnson deu as boas-vindas à equipe da Marinha e seus líderes em Kentucky e expressou confiança no sucesso de nosso esforço de guerra se os marinheiros conseguirem afundar navios japoneses e aviões alemães com a mesma habilidade com que afundaram cestas.

O contra-almirante John Downes, dos Great Lakes, expressou o apreço da Marinha à Liga da Marinha e ao The Courier-Journal and Times, promotores do programa de benefícios, e aos cidadãos de Louisville e Kentucky que, por meio de sua presença, tornaram o programa um grande sucesso .

"O mundo inteiro está em guerra", disse o contra-almirante em tom solene, "mas fazemos uma pausa nesta grande luta de toda a história para testemunhar uma bela disputa atlética entre duas das melhores equipes de basquete da Nação. Esta competição, no entanto, tem um significado muito maior do que meramente fornecer uma noite de entretenimento. Ele mostra o fato de que o atletismo é de extrema importância durante a guerra. "

Ele enfatizou que o atletismo promove três requisitos essenciais na formação de homens para serem bons marinheiros em tempo de guerra e bons cidadãos em tempos de paz.

"Essas coisas", disse ele, "são uma vida limpa, espírito esportivo e jogo em equipe. Os Estados Unidos estão construindo agora a maior Marinha que o mundo já conheceu e sem homens em quem estivessem profundamente arraigados os fundamentos de uma vida limpa, espírito esportivo e jogo em equipe. , os muitos navios agora deslizando pelos caminhos seriam inúteis.

Depois de instar os rapazes presentes a investigarem as oportunidades que a Marinha oferece para talentos especializados, a fim de que possam servir ao país em toda a extensão de suas habilidades, ele delineou os objetivos da organização de um time de basquete nos Grandes Lagos.

"Estes", disse ele, "são três: trazer a Marinha de volta ao povo do Meio-Oeste para fornecer entretenimento aos recrutas em Great Lakes e arrecadar fundos para a Sociedade de Socorro da Marinha, que cuida das viúvas e órfãos de aqueles que dão suas vidas para que a América seja livre. "

Além dos $ 6.000 ou mais da receita líquida do jogo, $ 195 foram levantados por meio do leilão de duas bolas de basquete pelo Radiocaster Don Hill. Uma oferta de US $ 100 de Dan Metz, 2323 Woodford, aceitou um deles e uma oferta de US $ 95 de Lee Durning, 306 Claremont, aceitou o outro.

Aumentando a atmosfera militar do programa estavam a presença de marinheiros e legionários uniformizados como porteiros e a execução de ares marciais pelas bandas de Jefferson Post, St. Xavier High e Male High.

Em uma preliminar, o St. X. derrotou o Masculino 37-28 pelo sétimo campeonato regional.

Antevisão do Jogo - Louisville Courier-Journal

Para que Louisville se sinta mais familiarizado com os jogadores dos Grandes Lagos durante sua estada, o Tenente E.A. Thompson, do Departamento de Relações Públicas dos Grandes Lagos, fornece um conjunto completo de esboços em miniatura, como de costume no serviço militar:

John Adams de Beebe, Arkansas, 6 pés e 2 polegadas, 175 libras, jornalista de três anos na Universidade de Arkansas. Liderou sua equipe durante uma temporada da Conferência do Sudoeste sem derrota e até a final do Torneio Colegial Nacional.

Forrest Anderson de Gary, Ind., 6 pés, 165 libras, substituiu o famoso Hank Luisetti em Stanford se destacou na competição da Conferência da Costa do Pacífico. Equipe formada por All-Conference.

Ernie Andres, 5 pés 11 polegadas, 210 libras, vem de Jeffersonville e classificado como um All American na Universidade de Indiana. "Junie", como Louisville o conhece, jogou beisebol profissional com o Louisville Coronels. Estabeleceu um recorde de pontuação de 31 pontos em um jogo no Indiana.

Frank Baumholtz, 5 pés, 10 polegadas, 175 libras, vem de Midvale, Ohio, e estrelou de forma brilhante o suficiente para ganhar aclamação All-American no Ohio U. Ele estabeleceu um recorde estadual marcando 1.100 pontos em três anos. Destaca-se também no beisebol, sendo propriedade dos Cincinnati Reds.

Les Bruckner, 5 pés, 11 polegadas, 210 libras de Milan, Michigan, estrelou no futebol americano Tom King de Louisville no estado de Michigan, e ganhou cartas no basquete. Ele também joga beisebol e atletismo.

Bob Calihan, 6 pés, 4 polegadas, 195 libras, traça seu início de basquete para Chicago, mas ganhou fama All-American em Detroit. Ele quebrou recordes de pontuação em cada um de seus três anos de competição universitária, marcando 322 pontos em seu último ano.

Jim Currie, 6 pés e 2 polegadas, 180 libras, ganhou fama do Noroeste bem nas sombras de sua casa em Evanston, Illinois. Ele estrelou a guarda por três anos no Purples.

Lee Huber, 5 pés, 11 polegadas, 180 libras, orgulha-se de Louisville como sua casa e Kentucky como sua alma mater. Ele foi o capitão dos Wildcats em 1941, ganhou o reconhecimento da All-Southeastern Conference e se juntou ao College All Stars no jogo College-Pro anual de Chicago.

Dick Klein, 1,90 m, 90 quilos, outro garoto de Evanston, que ganhou o reconhecimento como All-American na Northwestern. Ele terminou em segundo lugar na pontuação do Big Ten. Ele é um jogador de beisebol também, Cleveland o reivindicou.

John Lobsiger, com 1,93 m de altura e 70 quilos, foi de Gary, Indiana, para ganhar fama e menção à All-American no Missouri.

Bill Menke, 6 pés e 3 polegadas 185 libras, completa os jogadores de Indiana no elenco. De Huntingburg, Indiana, Menke foi para a fama All-American em Indiana, estabelecendo o recorde de pontuação de todos os tempos para os Hoosiers e aterrissando entre os cinco primeiros no Big.

George Rung, de 1,98 m de altura, é natural de Cleveland e ganhou suas esporas na Universidade de Miami, onde também foi All-Conference por três anos. Ele também pertence aos Cleveland Indians.

Jim Van Orsdel, 5 pés 11 polegadas 185 libras, vem de Norwood, Ohio, e liderou Miami U. cagers na pontuação, feito All-State.

Ermal Allen (# 5) do Kentucky tenta pegar a bola. No fundo está James King do Reino Unido (# 5) e o ex-jogador do Kentucky Lee Huber (# 16). Em primeiro plano está o grande Dick Klein (# 23)

Mel Brewer do Kentucky (# 15) e Ermal Allen guardam Bill Menke dos Great Lakes (# 9) enquanto Bob Calihan (# 17) observa.

O ex-Wildcat Lee Huber (# 16) observa Ermal Allen alcançar entre as pernas de um jogador dos Grandes Lagos para pegar a bola perdida


Esta página foi feita com um Macintosh
Use o melhor, não se contente com menos
Retorne às estatísticas, cronogramas de equipes, escalações de equipes, oponentes, jogadores, técnicos, técnicos adversários, jogos, oficiais, assistência, página do Kentucky Basketball ou pesquise neste site.
Por favor, envie todas as adições / correções para.
Esta página foi gerada automaticamente usando um banco de dados Filemaker Pro


Exército dos EUA lança K-9 Corps

Bem mais de um milhão de cães serviram em ambos os lados durante a Primeira Guerra Mundial, levando mensagens ao longo da complexa rede de trincheiras e fornecendo algum conforto psicológico aos soldados. O cão mais famoso a emergir da guerra foi Rin Tin Tin, um cachorrinho abandonado de cães de guerra alemães encontrado na França em 1918 e levado para os Estados Unidos, onde estreou no cinema mudo de 1922 O Homem do Inferno & # x2019s Rio. Como a primeira estrela de cinema animal de boa fé, Rin Tin Tin tornou a raça pastor alemão, pouco conhecida, famosa em todo o país.

Nos Estados Unidos, a prática de treinar cães para fins militares foi amplamente abandonada após a Primeira Guerra Mundial. Quando o país entrou na Segunda Guerra Mundial em dezembro de 1941, a American Kennel Association e um grupo chamado Dogs for Defense começaram um movimento para mobilizar os donos de cães para doar animais saudáveis ​​e capazes para o Quartermaster Corps do Exército dos EUA. O treinamento começou em março de 1942, e naquele outono o QMC recebeu a tarefa de treinar cães para a Marinha dos EUA, fuzileiros navais e guarda costeira também.

O K-9 Corps aceitou inicialmente mais de 30 raças de cães, mas a lista logo foi reduzida a sete: Pastores Alemães, cães pastores belgas, Doberman Pinschers, Collies, Huskies Siberianos, Malumutes e Cães Esquimós. Os membros do K-9 Corps foram treinados por um total de 8 a 12 semanas. Após o treinamento básico de obediência, eles foram enviados para um dos quatro programas especializados para prepará-los para o trabalho como cães de sentinela, cães escuteiros ou de patrulha, cães mensageiros ou cães detectores de minas. Em serviço de combate ativo, os cães batedores mostraram-se especialmente essenciais ao alertar as patrulhas sobre a aproximação do inimigo e prevenir ataques de surpresa.

O principal herói canino da Segunda Guerra Mundial foi Chips, um pastor alemão que serviu no Exército e na 3ª Divisão de Infantaria do # x2019s. Treinado como um cão-sentinela, Chips se separou de seus tratadores e atacou um ninho de metralhadora inimiga na Itália, forçando toda a tripulação a se render. Os Chips feridos receberam a Cruz de Serviço Distinto, a Estrela de Prata e a Purple Heart & # x2014, todas as quais foram posteriormente revogadas devido a uma política do Exército que impedia o elogio oficial de animais.


Arquivo do escritório do Juiz Advogado Geral (Exército)

Estabelecido: No Departamento de Guerra, por ato de 17 de julho de 1862 (12 Estat. 597), renomeando o cargo de Juiz Advogado do Exército. O Departamento do Juiz Advogado-Geral foi estabelecido no Departamento de Guerra por um ato de 5 de julho de 1884 (23 Estat. 113), consolidando o Gabinete de Justiça Militar e o Corpo de Juízes Advogados do Exército.

Agências predecessoras:

No Departamento de Guerra:

Do Gabinete do Juiz Advogado-Geral:

Do Departamento do Juiz Advogado-Geral:

Transferências: Para Serviços de Abastecimento (SOS), em vigor em 9 de março de 1942, pela Circular 59, Departamento de Guerra, 2 de março de 1942, como parte de uma reorganização do Departamento de Guerra autorizada por EO 9082, de 28 de fevereiro de 1942 para as Forças de Serviço do Exército (ASF, anteriormente SOS) pela Ordem Geral 14, Departamento de Guerra, 12 de março de 1943 para o Estado-Maior do Departamento de Guerra (WDGS) como uma equipe administrativa e de serviço, com JAG se reportando diretamente ao Secretário de Guerra com relação a tribunais marciais e questões legais, a partir de junho 11, 1946, após a abolição da ASF pela Circular 138, Departamento de Guerra, 14 de maio de 1946, como parte de uma reorganização do Departamento de Guerra autorizada por EO 9722, 13 de maio de 1946 com WDGS (novo Estado-Maior do Exército) para Departamento do Exército por Circular 1, Departamento do Exército, 18 de setembro de 1947, implementando a Circular 225, Departamento de Guerra, 16 de agosto de 1947, emitida de acordo com uma reorganização das forças armadas sob a Lei de Segurança Nacional de 1947 (61 Stat. 495), 26 de julho 1947.

Funções: Supervisiona o sistema de justiça militar em todo o exército, realiza revisão de apelação de registros de julgamentos por corte marcial, conforme previsto no Código Uniforme de Justiça Militar, e fornece os serviços jurídicos do exército. Atua como consultor jurídico do Secretário do Exército e de todos os escritórios e agências do Exército.

Encontrar ajudas: George J. Stansfield, comp., "Lista de verificação preliminar dos registros do escritório do juiz, advogado-geral (Guerra), 1808-1942," PC 29 (dezembro de 1945) Patricia Andrews, "Suplemento à lista de verificação preliminar 29, Registros do Office of the Judge Advocate General (War), "NM 33 (1964) e suplemento na edição de microfichas dos Arquivos Nacionais de inventários preliminares.

Registros Relacionados: Registre cópias das publicações do Gabinete do Juiz Advogado Geral (Exército) em RG 287, Publicações do Governo dos Estados Unidos.

153.2 REGISTROS DO ESCRITÓRIO IMEDIATO DO JUIZ ADVOGADO-GERAL
1808-1981

História: Um único juiz defensor do exército foi autorizado por um ato de 3 de março de 1797 (1 Estatuto 507), mas o número e o status dos juízes advogados posteriormente variaram até que o cargo de Juiz Advogado do Exército foi criado por ato de 2 de março, 1849 (9 Estat. 351). Nome alterado para Judge Advocate General, 1862. SEE 153.1.

Bureau of Military Justice, dirigido pelo Juiz Advogado-Geral, criado por um ato de 20 de junho de 1864 (13 Stat. 144). Consolidado com o Corpo de Advogados dos Juízes do Exército para formar o Departamento do Advogado Geral dos Juízes, 1884. VER 153.1.

153.2.1 Correspondência e registros relacionados

Registros textuais: Cartas e relatórios enviados, 1842-89, com índices. Publique cópias das cartas enviadas pelo juiz-advogado-geral, 1882-1995, com índices. Cartas selecionadas enviadas pelo Juiz Advogado-Geral como chefe do sistema de justiça militar e assessor jurídico do Secretário da Guerra, 1889-95, com índices. Cartas recebidas pelo Juiz Advogado do Exército e pelo Juiz Advogado Geral, 1854-94, com registros, 1854-89, e índices, 1871-76, 1885-88. Correspondência geral, 1894-1912. Correspondência relativa aos pareceres e decisões do juiz do advogado-geral e a questões administrativas e operacionais, 1912-42. Pareceres e decisões do Procurador-Geral sobre a administração da justiça militar e ações judiciais do Departamento de Guerra, 1821-70. Papéis e outros registros do Brig. Gen. Norman Lieber, 1867-98 Brig. Gen. George B. Davis como Juiz Advogado Geral, 1901-10 Coronel Blanton Winship do Judge Advocate General's Department, 1903-19 e Coronel Mark Guerin, Juiz Advogado da 6th Corps Area, 1918-24. Arquivos do Office relacionados a assuntos marítimos, 1918-23 e à Comissão para Ajustamento de Reivindicações Britânicas, 1932-33.

153.2.2 Pedidos e registros relacionados

Registros textuais: Ordens gerais, circulares e ordens gerais de tribunais marciais do Gabinete do Juiz Advogado-Geral, 1860-1944 (160 pés).

153.2.3 Arquivos de casos de corte marcial e registros relacionados

Registros textuais: Arquivos de casos de cortes marciais gerais, tribunais de inquérito e comissões militares (5.133 pés lineares), 1809-1939 com índice, 1891-1917. Arquivos de casos de corte marcial de sabotadores alemães, 1942-44 Eddie Slovik, 1944-45 e David Watson e Jack e Kathleen Durant, 1946-47. Cópias de registros de cortes marciais gerais e tribunais de inquérito, 1808-15 (8 vols.). Registros de casos de corte marcial, 1809-90. Arquivos de casos perdidos durante a Guerra Civil, mas posteriormente recuperados pelo Juiz Advogado Geral, 1861-65. Razões de números de casos de cortes marciais gerais, 1918-50. Livros de registro de ofensas de cortes marciais gerais, 1917-50. Livro-razão das condenações por cortes marciais gerais nas Forças Expedicionárias Americanas, 1917-19. Pedidos e correspondência sobre clemência para prisioneiros condenados por cortes marciais gerais na Prisão Militar dos EUA em Fort Leavenworth, KS, 1887-89. Ordens de clemência emitidas pelo secretário adjunto da Guerra, 1894-97.

Publicações de microfilme: M592, M1002, M1105, T1027, T1103.

Mapas (14 itens): Mapas publicados relacionados ao G.K. Tribunal de inquérito de Warren, 1879-80. VER TAMBÉM 153.19.

Encontrar ajudas: Índice de fichas dos Arquivos Nacionais para arquivos de casos anteriores a 1862.

153.2.4 Registros da corte marcial geral do tenente William
Calley em Fort Benning, GA (novembro de 1970 a dezembro de 1971) por crimes
alegado contra os habitantes de My Lai 4, República do Vietnã
("My Lai Massacre", 16 de março de 1968)

Registros textuais: Processo do Artigo 32, dezembro de 1969. Processo de corte marcial, novembro de 1970 a dezembro de 1971. Processo de apelação perante o Tribunal de Revisão Militar do Exército e o Tribunal de Apelações Militar dos Estados Unidos, 1971-74. Registros relacionados à revisão presidencial do caso, 1974. Registros relacionados a pedidos de clemência, 1972-81.

Imagens em movimento (1 rolo): Atrocidades comunistas no Vietnã, apresentadas como uma exibição de defesa, n.d. VEJA TAMBÉM 153.20.

Gravações de vídeo (7 itens): Exposições de defesa, 1969-71.

Gravações de som (76 itens): Processo da corte marcial geral, novembro de 1970 a março de 1971 (63 itens). Audiências de apelação perante o Tribunal de Revisão Militar do Exército, dezembro de 1972 (9 itens). Transmissões de rádio em idioma vietnamita sobre atrocidades comunistas, inscritas como exibições de defesa, n.d. (4 itens).

153.2.5 Registros da investigação do assassinato de Lincoln

Registros textuais: Relatórios, correspondência e depoimentos de pessoas ligadas ao julgamento de assassinato, abril de 1865. "Livro de Registro da Comissão Militar", contendo resumos de cartas, depoimentos e relatórios sobre os suspeitos do assassinato, 1865. Registros do Juiz Advogado Coronel HL Burnett, que investigou o assassinato, incluindo cartas enviadas, abril-julho de 1865, um registro de cartas recebidas, abril-agosto de 1865 e um livro de endosso, abril-junho de 1865.

Publicações de microfilme: M599.

153.2.6 Registros de outras investigações

Registros textuais: Registros de uma investigação pelo Provost Marshal, Departamento de Missouri, sobre as atividades da Ordem dos Cavaleiros Americanos, 1864. Registros dos casos Paxton Hibben e William Mitchell e a controvérsia Martin-Mitchell, 1923-27.

153.2.7 Registros relativos ao sistema de justiça militar

Registros textuais: Arquivo de cartão usado na revisão do manual sobre cortes marciais que mostra as mudanças feitas nos regulamentos do exército, 1904-13. Correspondência, relatórios e papéis de trabalho relacionados às revisões do manual para cortes marciais, 1919-27. Registros relacionados à justiça militar e à revisão da lei militar ("Coleção Decker"), 1948-56. Relatório dirigido ao Juiz Advogado-Geral, relativo às críticas ao sistema de justiça militar, 13 de fevereiro de 1919. Registros de um estudo da administração europeia da justiça militar, 1918-20.

Publicações de microfilme: M1739.

153.2.8 Registros de pessoal

Registros textuais: Listas de pessoal e cartas enviadas pelo advogado-geral em exercício, relativas ao pessoal civil, 1877-98. Pedidos de escritório preencheram questionários biográficos e registros relacionados ao seguro contra riscos de guerra, os casos de aposentadoria de French e Creary e pessoal do departamento, 1918-28.

153.2.9 Registros de reclamações internacionais

Registros textuais: Arquivos de casos relacionados a reclamações de cidadãos mexicanos como resultado do desembarque dos EUA em Veracruz (1914) e da Expedição punitiva do general John J. Pershing (1916), 1914-36. Registros relacionados a casos perante a Comissão de Reivindicações da Holanda, criada em 1932 para ouvir reivindicações holandesas decorrentes de compras de material bélico do exército durante a Primeira Guerra Mundial, 1932-40.

153.3 REGISTROS DO ESCRITÓRIO DO JUIZ ASSISTENTE ADVOGADO GERAL
1864-67

História: Nomeado em 1864, com sede em Louisville, KY, para revisar registros de cortes marciais e comissões militares nos departamentos de Arkansas, Kansas, Ohio, Tennessee, Cumberland e Missouri antes de serem encaminhados ao Juiz Advogado Geral .

Registros textuais: Registros e índices de arquivos de casos de corte marcial recebidos, 1864-67. Livro de endosso, 1864-66.

153.4 REGISTOS DO ESCRITÓRIO DO JUIZ ADVOGADO-GERAL INTERNO NA EUROPA
1918-19

História: Funcionou como um escritório de campo do Juiz Advogado Geral de 7 de março de 1918 a 6 de outubro de 1919. Revisou casos gerais de corte marcial em que foram impostas sentenças de morte, demissão ou demissão desonrosa e casos de comissão militar originados no Expedicionário Americano Forças.

Registros textuais: Pedidos, relatórios e correspondência sobre casos examinados e revisados, 1918-19.

Registros Relacionados: Os autos recebidos por este gabinete foram encaminhados ao Juiz Advogado-Geral e encontram-se nos autos da corte marcial, 153.2.2.

153.5 REGISTROS DA DIVISÃO DE TERRAS
1692-1950 (massa 1800-1942)

História: O Juiz Advogado-Geral atribuiu a responsabilidade de manter e administrar as escrituras originais e outros títulos de propriedade dos bens imóveis do Departamento de Guerra, 1894. Função atribuída à Divisão de Reserva Militar, 1942. Divisão de Terras Redesignada após a Segunda Guerra Mundial.

Registros textuais: "Arquivos de reserva", relacionados a imóveis que não pertencem mais ao Departamento do Exército, 1692-1950 (volume 1800-1950), incluindo, para Fort Wadsworth, NY, Fort Monmouth, NJ, e West Point, NY, alguns documentos legais do período colonial, 1692-1763.

Mapas (347 itens): Ex-reservas militares e outras terras mantidas pelo exército nos Estados Unidos que foram cedidas a outras agências governamentais, 1840-1930. VER TAMBÉM 153.19.

153.6 REGISTROS DAS UNIDADES DE DIVISÃO DE LITIGAÇÃO E PREDECESSORAS
1923-47

História: Estabelecido em março de 1942, substituindo a Seção de Litígios, estabelecida em dezembro de 1941, e a Seção de Reclamações e Litígios predecessora. Exercitou supervisão sobre litígios em que o Departamento de Guerra estava envolvido e manteve contato com o Departamento de Justiça. Registros herdados de unidades predecessoras, incluindo a Seção de Assuntos Civis, estabelecida em 1925.

153.6.1 Registros da Seção de Assuntos Civis

Registros textuais: Correspondência sobre casos julgados no Tribunal de Reclamações dos EUA, 1925-31. Correspondência, principalmente com membros do Congresso, e outros registros relativos ao pagamento de reivindicações a indivíduos autorizados por atos privados do Congresso, 1926-37.

153.6.2 Outros registros

Registros textuais: Registros de audiências, correspondência e outro material relacionado a casos julgados no Tribunal de Reivindicações dos EUA, 1925-42. Arquivos de casos envolvendo o Departamento de Guerra julgados na Suprema Corte do Distrito de Columbia, 1923-40. Registros relativos a processos movidos por pessoas ordenadas a serem excluídas das áreas de defesa da costa oeste durante a Segunda Guerra Mundial, 1942-47.

153.7 REGISTROS DA JUNTA DE TRANSAÇÕES DE GUERRA
1923-26

História: Estabelecido no Departamento de Guerra para cooperar com o Conselho de Pesquisa do Departamento de Justiça como o Conselho Conjunto de Pesquisa de transações de guerra, com subcomitês investigando fraudes decorrentes de contratos de guerra, fevereiro de 1923. A maior parte do trabalho do conselho conjunto foi concluída em 1925 .

Registros textuais: Ata do conselho comum, 1923-25. Registros relacionados à revisão das transações contratuais por ambas as diretorias, 1923-26.

153.8 REGISTOS DA SEÇÃO DE ASSUNTOS INSULARES
1915-39

História: Estabelecido após o Juiz Advogado Geral assumir o trabalho jurídico anteriormente administrado pelo Bureau of Insular Affairs do Departamento de Guerra, em 1914. Descontinuado após a transferência da responsabilidade pela gestão dos assuntos insulares do Departamento de Guerra para o Departamento do Interior, pelo Plano de Reorganização nº II de 1939, a partir de 1º de julho de 1939.

Registros textuais: Memorandos do chefe da secção sobre questões jurídicas relacionadas com a administração de bens insulares, 1931-39. Cartões listando casos legais tratados pela seção, 1925-36. Arquivos do escritório do chefe da seção, 1920-34. Arquivos relativos a casos envolvendo residentes de Porto Rico apresentados ao Tribunal de Apelações do Circuito dos Estados Unidos e à Suprema Corte, 1915-34. Arquivos relativos a casos semelhantes envolvendo residentes das Ilhas Filipinas, 1915-33.

153,9 REGISTROS DA SEÇÃO CENTRAL DE PATENTES E ÓRGÃOS RELACIONADOS
1917-42

História: Estabelecido no Gabinete do Juiz Advogado Geral, em 11 de julho de 1921, para suceder a Seção Central de Patentes da Divisão de Abastecimento, WDGS.

153.9.1 Registros da Seção Central de Patentes

Registros textuais: Arquivos de casos de patentes, 1921-40. Arquivos de caso do Tribunal de Reivindicações dos EUA, 1921-42. Trabalhos de caso selecionados, 1917-40. Correspondência concernente a Muscle Shoals, AL, 1918-34. Registros relacionados ao acordo de reivindicações de patentes alemãs e austríacas, 1928-33.

153.9.2 Registros da Seção de Patentes e da Patente Central
Seção, Divisão de Abastecimento

História: Seção de Patentes organizada na Divisão de Suprimentos de Compra, Armazenamento e Tráfego, WDGS, janeiro de 1919, para lidar com questões relacionadas ao uso departamental de artigos patenteados e aos direitos dos funcionários do Departamento de Guerra a patentes de invenções. Foi bem-sucedido pela Seção Central de Patentes, Divisão de Suprimentos, WDGS, 1920.

Registros textuais: Correspondência e registros de ações em casos específicos de patentes, 1919-21. Arquivos de contratos de serviços aéreos, 1919. Arquivos de informações administrativas sobre contratos envolvendo o uso de materiais patenteados, 1919. Notas sobre conferências e pessoal, 1921.

153.9.3 Registros do Conselho de Patentes de Munições

História: Estabelecido para coordenar as políticas de patentes do Departamento de Guerra e Marinha, em setembro de 1918. Deixou de funcionar em 1921.

Registros textuais: Arquivos de casos de patentes, 1918-21.

153.9.4 Registros da Filial de Patentes, Gabinete do Chefe do
Artilharia

História: Estabelecido na Divisão de Aquisições, Escritório do Chefe de Artilharia, março de 1918, para desempenhar funções relacionadas a patentes e invenções de artilharia, contratos de direitos de patentes e royalties e outros pagamentos. Funções relacionadas a questões contratuais e o pagamento de compensação por invenções transferidas para a Seção de Patentes, Divisão de Compra, Armazenamento e Tráfego, WDGS, janeiro de 1919.

Registros textuais: Arquivos de escritório do chefe de seção, 1917-19. Cópias fotostáticas de desenhos de equipamento de artilharia, 1919. Índice de contratos no arquivo de contrato do Escritório do Chefe de Artilharia, 1917-19. Correspondência relativa a investigações de violações de patentes de artilharia, 1918-19.

153.9.5 Registros do Conselho de Patentes Interdepartamental

História: Estabelecido por EO 3721, 9 de agosto de 1922, para estudar as políticas relativas aos direitos de patente de funcionários do governo para invenções. Abolido em 1933.

Registros textuais: Atas de reuniões, 1922-23. Correspondência, 1922-23.

153.9.6 Registros da Comissão para Ajuste de Sinistros Estrangeiros

História: Estabelecido pela Ordem Geral 9, Departamento de Guerra, 28 de fevereiro de 1922, de acordo com uma lei de 2 de março de 1919 (40 Stat. 1273), para ouvir e determinar as questões decorrentes do "Acordo de Bolling" de junho de 1917 e outros assuntos atribuídos relativos a reivindicações estrangeiras. Dissolvido, 26 de junho de 1924.

Registros textuais: Correspondência administrativa, 1922-24. Arquivos de casos de reivindicações e exposições, 1922-24. Arquivos de informações sobre patentes aeronáuticas, 1919-24.

153.9.7 Registros da Comissão para Ajuste de Reivindicações Britânicas

História: Estabelecido por carta do Ajudante Geral em 7 de junho de 1932. Relatório final enviado em 11 de fevereiro de 1933.

Registros textuais: Correspondência do presidente, 1932-34, com materiais de referência de apoio, 1917-34. Registros administrativos gerais, 1932-34. Arquivos do caso, 1932-33. Correspondência relativa a reclamações feitas após o estabelecimento da comissão, 1932-33.

153.10 REGISTROS DA DIVISÃO DE PATENTES
1926-61

153.10.1 Registros gerais

Registros textuais: Registros relacionados à legislação de patentes, 1926-61. Registros relacionados aos casos de patentes do Office of Scientific Research and Development (OSRD) e do National Defense Research Committee, 1941-52. Listas de pedidos de patente OSRD, 1941-50. Registros relativos ao Comitê Conjunto Exército-Marinha para estudar o pool de patentes de radar, 1944-46. Registros relacionados ao Patent Interchange Agreement e ao British-American Patent Interchange Committee, 1932-50.

153.10.2 Registros da Filial de Invenções Classificadas

Registros textuais: Registros relativos a pedidos de patentes entregues ao Governo Federal sob ordens de sigilo, 1941-49.

153.10.3 Registros da Filial de Aquisições e Reclamações

Registros textuais: Correspondência e outros registros relacionados a contratos e patentes, 1943-49. Registros relativos a patentes e o Office of Alien Property Custodian, 1942-51. Registros que tratam de direitos de patente e lend-lease, 1945-54. Registros relacionados ao Surplus Property Act de 1944, 1944-46. Registros relacionados a ajustes de royalties, renúncias de indenização e obrigações contratuais, 1936-47. Registros relativos à divulgação de informações técnicas e industriais, 1944-45. Registros relativos aos regulamentos de aquisição de patentes, 1944-52. Registros relativos a desvios de patentes, 1945-51. Arquivos de casos de desvio de patentes, 1943-57.

153.11 REGISTROS DA DIVISÃO DE LEI DE COMPRAS
1952-55

Registros textuais: Registros relacionados a contratos de aquisição offshore, 1952-55.

153,12 REGISTROS DO RAMO DE DIREITO INDUSTRIAL
1942-46

Registros textuais: Registros gerais relativos à apreensão e operação pelo Departamento de Guerra de instalações industriais durante a Segunda Guerra Mundial, 1942-46. Registros relativos a instalações individuais apreendidas, 1942-46.

Termos de acesso do assunto: Gaffney Manufacturing Company Hughes Tool Company International Nickel Company Montgomery Ward and Company S.A. Woods Machine Company Western Electric Company.

153.13 REGISTROS DO RAMO DE CRIMES DE GUERRA
1942-57

História: Estabelecido no Departamento do Juiz Advogado Geral para coordenar as atividades dos EUA com relação à investigação e acusação de crimes de guerra e criminosos, 6 de outubro de 1944. Anexo à Divisão de Assuntos Civis, Estado-Maior do Exército, 1946-49. Funções residuais absorvidas pela Divisão de Assuntos Internacionais, Judge Advocate General's Department, 1955.

Imagens em movimento (2 rolos): Investigação de atrocidades contra prisioneiros de guerra na Coréia, 1952-54. VER TAMBÉM 153.20

153.13.1 Registros relacionados a crimes de guerra da Segunda Guerra Mundial

Registros textuais: Cartas enviadas em 1948-51 e recebidas em 1944-51. Arquivo de Projeto de Análise de Tratado do Departamento de Estado, compilado em conjunto com a Divisão de Crimes de Guerra, 1944-48. Relatórios Safehaven, 1944-45. Arquivo da biblioteca jurídica, 1944-49. Relatórios de investigação de prisioneiros de guerra, 1943-47. Arquivos de casos e dossiês de julgamentos de crimes de guerra realizados por comissões militares na China, o Comando do Extremo Oriente e os Teatros de Operações da Europa e do Mediterrâneo, 1944-49, com índices de nomes. Registros gerais e administrativos relativos a julgamentos de crimes de guerra ("Arquivos de configuração"), 1944-49. Records of the United States Commissioner, United Nations War Crimes Commission, 1943-50. Records relating to European war crimes cases, 1944-50. Records relating to the International Military Tribunal for the Far East, 1946-48. Records relating to lesser Japanese war crimes trials, 1946-49. Case files of the Japanese Clemency and Parole Board for War Criminals, 1952-57, with index. Records relating to Philippine war crimes, 1942-47. Records relating to war crimes committed in the China Theater, 1945-48.

Motion Pictures (1 reel): Rome March, from case 16-194, U.S. v. Kurt Maelzer, n.d. SEE ALSO 153.20.

Photographic Prints (798 images): Two personal albums of Ilse Koch, used as an exhibit in her July 1947 war crimes trial, 1912- 41 (IK, 450 images). Six photograph albums containing photographs depicting German and Japanese atrocities and war crimes trials and documenting the recovery of property looted by the Nazis, 1944-46 (WC, 348 images).

Registros Relacionados: National Archives Collection of World War II War Crimes Records, RG 238.

Termos de acesso do assunto: Berlin (photographs) Buchenwald (photographs) Darmstadt (photographs) Dresden (photographs).

153.13.2 Records relating to the Korean War

Registros textuais: Records of the War Crimes Division, Judge Advocate Section, Korean Communications Zone, consisting of war crimes case files, 1952-54 historical reports, 1952-54 and reports of interrogations of American prisoners of war repatriated in Operation Big Switch, 1953-54. Records of the Post Capture Offenses Division, Judge Advocate Section, Korean Communications Zone, consisting of case files, 1951-53, with index and historical report, 1953.

Motion Pictures (2 reels): Investigation of atrocities against POWs in Korea, 1952-54. SEE ALSO 153.20.

153.14 RECORDS OF THE MILITARY JUSTICE DIVISION
1945-55

Registros textuais: Reports and related records of the courts- martial ("Lichfield Trials") of U.S. servicemen stationed at Camp Lichfield, England, 1945-47. Records of the Judge Advocate General's Task Force to Study Procurement Irregularities in the Western Area Command, 1950-55.

153.15 RECORDS OF THE MILITARY AFFAIRS DIVISION
1949-58

Registros textuais: Records of the Department of the Army Emergency Legislative Program, 1949-58.

153.16 RECORDS OF THE INTERNATIONAL AFFAIRS DIVISION
1918-76

Registros textuais: Army JAG central files of legal opinions and actions concerned with organization matters, originated by the Administration Law Division, the Procurement Law Division, the Criminal Law Division, and the International Affairs Division ("Mixed Files"), 1918-78 (361 ft.). Records relating to international agreements, national jurisdictions, and other legal matters ("Country Files"), 1954-61.

153.17 RECORDS OF THE STATUS OF FORCES BRANCH
1954-63

Registros textuais: Records relating to the exercise of jurisdiction by foreign tribunals over U.S. military personnel ("Morale and Impact Reports"), 1955-60. Statistical reports, 1954-63. Records relating to foreign criminal tribunal legal costs, 1956-60. Reports of visits to foreign penal institutions, 1955-63. Reports of U.S. military personnel confined in foreign penal institutions, 1954-63.

153.18 FIELD RECORDS
1917-67

Registros textuais: Records of the Judge Advocate General School, Charlottesville, VA, 1951-67. Records of the Judge Advocate General's School Library, consisting of a collection of publications and issuances relating to the World War I draft and Veterans' Bureau, 1917-40.

153.19 CARTOGRAPHIC RECORDS (GENERAL)

SEE Maps UNDER 153.2.3 and 153.5.

153.20 MOTION PICTURES (GENERAL)

SEE UNDER 153.2.4, 153.13.1, and 153.3.3.

153.21 VIDEO RECORDINGS (GENERAL)

153.22 SOUND RECORDINGS (GENERAL)

153.23 STILL PICTURES (GENERAL)

SEE Photographic Prints UNDER 153.13.1.

Nota bibliográfica: Versão web baseada no Guia de Registros Federais dos Arquivos Nacionais dos Estados Unidos. Compilado por Robert B. Matchette et al. Washington, DC: National Archives and Records Administration, 1995.
3 volumes, 2.428 páginas.

Esta versão da Web é atualizada de tempos em tempos para incluir registros processados ​​desde 1995.

Esta página foi revisada pela última vez em 15 de agosto de 2016.
Contate-nos com perguntas ou comentários.


War Relocation Authority is established in United States

On March 18, the War Relocation Authority is created to “Take all people of Japanese descent into custody, surround them with troops, prevent them from buying land, and return them to their former homes at the close of the war.”

Anger toward and fear of Japanese Americans began in Hawaii shortly after the bombing of Pearl Harbor everyone of Japanese ancestry, old and young, prosperous and poor, was suspected of espionage. This suspicion quickly broke out on the mainland as early as February 19, 1942, President Franklin D. Roosevelt ordered that German, Italian and Japanese nationals𠅊s well as Japanese American citizens� barred from certain areas deemed sensitive militarily. California, which had a significant number of Japanese American residents, saw a particularly virulent form of anti-Japanese sentiment, with the state’s attorney general, Earl Warren (who would go on to be the chief justice of the United States), claiming that a lack of evidence of sabotage among the Japanese American population proved nothing, as they were merely biding their time.

While roughly 2,000 people of German and Italian ancestry were interned during this period, Americans of Japanese ancestry suffered most egregiously. The War Relocation Authority, established on March 18, 1942, was aimed at them specifically: 120,000 men, women, and children were rounded up on the West Coast. Three categories of internees were created: Nisei (native U.S. citizens of Japanese immigrant parents), Issei (Japanese immigrants), and Kibei (native U.S. citizens educated largely in Japan). The internees were transported to one of 10 Relocation Centers in California, Utah, Arkansas, Arizona, Idaho, Coloradoਊnd Wyoming.

The quality of life in a Relocation Center was only marginally better than prison: Families were sardined into 20- by 25-foot rooms and forced to use communal bathrooms. No razors, scissors, or radios were allowed. Children attended War Relocation Authority schools. 


HistoryLink.org

The bombing of Pearl Harbor by Japan in December 1941 set in motion a series of events and decisions that led to what has been called the worst violation of constitutional rights in American history: the expulsion and imprisonment of 110,000 persons of Japanese ancestry from the U.S. West Coast. Two thirds of them were American citizens

The U.S. government wasted no time in clamping down on the 9,600 Japanese Americans in King County. On the evening of December 7, the FBI began to arrest Issei (first generation Japanese) and a few Nisei (second generation), including Buddhist priests, Japanese language teachers, officials, and leaders of community organizations whom the FBI considered potential spies.

In the following days, Japanese were ordered to stay away from railroad tunnels, highway bridges, and radio stations. Travel was restricted. Issei business licenses were revoked and bank accounts were frozen.

The push to expel the Japanese was centered in California and led by white farmers. In many ways, the antagonism merely continued nearly a century of hate and exclusion campaigns, first against the Chinese and then the Japanese. California state Attorney General Earl Warren, the future Supreme Court Chief Justice, was among those who asserted that the absence of Japanese "fifth column" activity (absence of activity by any group secretly in sympathy with Japan) on the West Coast was evidence that they were secretly planning another attack.

In Seattle, local Japanese began to feel the heat. At King Street Station, Japanese redcap porters were replaced by Filipinos wearing large identification buttons reading "Filipino." In early 1942, 26 Nisei women resigned as clerks from Seattle elementary schools after the district received complaints from parents.

Racial Grounds

Lt. General John DeWitt, head of the Western Defense Command, left no doubt that Japanese and Japanese Americans were singled out for mass exclusion on racial grounds. On February 14, 1942, DeWitt wrote, "The Japanese race is an enemy race and while many second and third generation Japanese born on United States soil, possessed of United States citizenship have become 'Americanized,' the racial strains are undiluted."

On February 19, 1942, President Roosevelt signed Executive Order 9066, authorizing the forced evacuation. Both Seattle Mayor Earl Millikan and Governor Arthur Langlie (1900-1966) declared their support of the removal.

By the end of March, 1942, sites had been determined for "assembly centers," temporary prison camps to be used as holding centers for persons of Japanese ancestry until the people could be moved to more permanent "relocation centers." At the time, 14,400 Japanese and Japanese Americans lived in Washington state, 9,600 of them in King County. The Japanese population of Seattle was nearly 7,000.

On March 30, 1942, Japanese Americans from Bainbridge Island in Puget Sound became the first group in the nation to be evacuated. A few weeks later in Seattle, on Tuesday, April 21, "evacuation" announcements were posted on telephone poles and bulletin boards. The community was to leave the city in three groups the following Tuesday, Thursday, and Friday.

Because the Army limited Japanese Americans to bringing only what they could carry, people made arrangements to store their belongings at churches or at the homes or businesses of friends.

A total of 12,892 persons of Japanese ancestry from Washington state were incarcerated. Seattle and Puyallup Valley Japanese were sent to the Puyallup "assembly center" and then onto Minidoka in Idaho.

Japanese Americans rode in vans, buses, and private automobiles about 25 miles south of Seattle to Puyallup on the site of the annual Western Washington State Fair. They remained there from April 28 to September 23, 1942.

Against a surreal backdrop of a race track, roller coaster, and Ferris wheel, barracks had been constructed in converted livestock stalls, under grandstands, and on parking lots. Boards for floors were laid flat on the ground so that grass grew between the cracks. Some mattresses were issued, but many internees had to stuff straw into canvas bags.

Beginning on August 10, 1942, most Seattleites were sent to the "Minidoka Relocation Center" near Hunt, Idaho, about 15 miles from Twin Falls and 150 miles southeast of Boise. This was one of 10 inland concentration camps filled with Japanese who had been evacuated from the West Coast.

The 7,050 Nikkei from the Seattle area were joined by 2,500 from Oregon and 150 from Alaska -- some of them children or grandchildren of Eskimo women and Japanese men.

The 500 barracks were arranged in 44 blocks, each block with two sections of six barracks, served by a mess hall and a central H-shaped shower and toilet facility. Family rooms varied depending on family size, averaging 16 feet by 20 feet, and were equipped with a potbelly stove and canvas Army cots.

Extreme weather was one of the chief hardships. Winter temperatures often dropped to 10 to 20 degrees below zero, and the thin walls of the barracks provided the barest protection against icy winds. Summer temperatures climbed as high as 115 degrees. After it rained, the dust became a thick bog of mud.

The inmates coped as best they could with the indignity of shared housing and bathing facilities, and the lingering anger and shame of their eviction from lifelong homes and neighborhoods. Minidoka became a little American city with churches, schools, newspapers, a library, fire station, and hospital.

Nisei Soldiers

In January 1943, the U.S. military began to admit Nisei. Many young men were eager to volunteer in the hope of improving the post-war status of their families. Other Nisei and their families agonized over the possibility of military service.

The all-Nisei military units -- the 100th Infantry Battalion and the 442nd Regimental Combat Team -- served with distinction, suffering huge casualties, and helping to end the war in Europe. For its size and length of service, the 442nd was the most decorated military unit of the war.

Concentration camp residents were encouraged to relocate to the Midwest or East Coast and eventually, beginning in January 1945, were permitted to return to the U.S. West Coast.

Government posters telling Japanese Americans where to report for internment, May 10, 1942

Cortesia do Arquivo Nacional

Posting of Japanese Exclusion Order (No. 17, dated April 24, 1942), Seattle, 1942

Social Trends in Seattle Vol 14 (Seattle: University of Washington Press, 1944)

Bainbridge Island High School pupils bid farewell to their Japanese American classmates, March 1942

Social Trends in Seattle Vol 14 (Seattle: University of Washington Press, 1944)


14 March 1942 - History

VX24597 Captain L. C. Matthews GC MC,

8th Australian Division Signals.

Captain Matthews was posthumously awarded the George Cross (GC) for gallant and distinguished services whilst a prisoner of war (POW) of the Japanese at Sandakan, British North Borneo between 1942-08 and 1944-03.

He also successfully organised escape parties. Arrested by the Kempei Tai (the Japanese Gestapo) he was subjected to brutal treatment and starvation but steadfastly refused to implicate his associates. He was tried by a Military Court and executed by the Japanese at Kuching, 1944-03-02, and even at the time of his execution he defied the Japanese. The Military Cross (MC) was awarded for outstanding conduct during operations in Malaya.

On 28 January, 1945, 470 prisoners set off, with only 313 arriving in Ranau. On the second march, 570 started from Sandakan, but only 118 reached Ranau.

The third march which comprised the last of the prisoners from the Sandakan camp contained 537 prisoners. Prisoners who were unable to walk were shot. The march route was through virgin jungle infested with crocodiles, snakes and wild pigs, and some of the prisoners had no boots. Rations were less than minimal. The march took nearly a year to complete.

Once the surviving prisoners arrived in Ranau, they were put to work carrying 20 kg sacks of flour over very hilly terrain to Paginatan, over 40 km away. By the end of July, 1945, there were no prisoners left in Ranau.

Only six Australians of the 2400 prisoners survived the "death march"

- they survived because they were able to escape from the camp at Ranau, or escaped during the march from Sandakan. No British prisoners survived.

This part of the war is considered by many to be the worst atrocity ever suffered by Australian soldiers,

and compares to the atrocities of the Burma Railway, where fewer Australian POW's lost their lives.

Those that survived the ordeal of the march, did so only because they escaped into the jungle where they were cared for by local natives.

An Australian Memorial honouring the survivors, POW's, local civilians who helped by clandestinely feeding the prisoners, and soldiers who perished at Sandakan and during the death marches into the jungle, has been erected at what was the Prisoner of War Camp in Taman Rimba close to the city of Sandakan. There are just a couple of rusting bits of machinery around, and the place has an eerie air about it.

The Sandakan Prisoner of War Camp has now been transformed into a very beautiful park with a pavilion on site which houses the history of this very tragic period.

The Memorial Park is on the site of the Sandakan prisoner of war camp.

An obelisk of black granite commemorating those who died is also located within the park and is the venue for the annual Anzac Day service in Sandakan. The Park was officially opened on 15 February 1999.

'It was a one way trip'

Second death march to Ranau
May-June 1945

The Australian and British POWs on the second march to Ranau left Sandakan camp on 29 May 1945. Of about 530 marchers, only 100 were in any condition to embark on such an ordeal. Many knew themselves they would not get far. Within a day, one of the groups--group 2--which had left with 50 POWs had already lost 12. As with the first march, a Japanese detachment had been assigned to deal with those who fell out. As a Japanese soldier with this death squad later testified:

On the way from Sandakan to Ranau I took my turn in S/M Tsuji s [Sergeant-Major Tsuji] party twice. The first time three were killed I think and on the second four were killed. On the first occasion I killed one, but not on the latter occasion. Captain Takakua [Captain Takakuwa Takuo] ordered me to do it and S/M Tsuji was present when I killed the man. There may have been a few Formosans . who did not get a turn in the killing parties.


Australian Army felt hats found at Sandakan POW Camp, 1945.
AWM Robertson Collection, 121/6

Nelson Short was on the second march and he recalled the bravery with which many POWs faced their end:

And if blokes just couldn t go on, we shook hands with them, and said, you know, hope everything s all right. But they knew what was going to happen. There was nothing you could do. You just had to keep yourself going. More or less survival of the fittest.

Dick Braithwaite became quickly aware of the purpose of this forced march:

It was a one-way trip when we started to hear shots, and you felt there was no hope for anyone who fell out.

In short, this second march was simply, if this were possible, a more brutal version of the earlier march. Rations were always totally inadequate and proper medical attention non-existent. They ate whatever they could find in the jungle. Nelson Short recalled eating snails and tree ferns. To urge them on, they were beaten with rifle butts. Men died daily of their illnesses-- some with their mates close by, others after wandering away alone into the jungle. Men who could not walk any further were shot, bayoneted or, in some instances, beheaded. One or two were killed so that a guard could take from them some treasured personal possession. About 113 died within the first eight days and a group of about 35 were massacred near Tangkul.

The survivors of the second march reached Ranau on 27 June, 26 days out from Sandakan. By that time there were only 183 of them left--142 Australian and 41 British POWs. This second march had indeed been a death march.

The dead body of the Japanese Commandant of Kuching & Sandakan POW Camps, Colonel Suga, who had been brought to Labuan by flying boat six days earlier and kept in a small barbed wire enclosure covered by a tent fly.

Estatisticas : Over 35 million page visitors since 11 Nov 2002


14 March 1942 - History

Young men from 38th Street ring the trail room for their arraignment. (Herald Examiner Collection, L.A. Public Library)

Murder at the Sleepy Lagoon

The 38th Street Gang was located in what is now part of South Los Angeles near Vernon and Long Beach Boulevards. The gang, along with other community members, frequented a water reservoir in a gravel pit located on the Williams Ranch in East Los Angeles. This reservoir, known to the community as Sleepy Lagoon, was used as a swimming pool by Mexican youth who were not allowed to use segregated public pools.

On the evening of August 1, 1942 Henry and Dora had a violent confrontation at Sleepy Lagoon with a neighboring gang from Downey. Henry and Dora left but returned later to the location with his gang in search of the attackers who had already fled the scene.

Futile in their search for the rival gang, the members of the 38th Street Gang decided to head for a party at the home of the Delgadillo family. When a fight broke out at the Delgadillo home Henry and the gang fled the scene. The following morning the dead body of José Díaz was found on a dirt road near the Delgadillo home. The Sleepy Lagoon Murder Trial began when Henry Leyvas and the 38th Street Gang were identified as being at the scene of the murder.

The Williams Ranch and the “Sleepy Lagoon” reservoir, 1942. Murder At The Sleepy Lagoon Zoot Suits, Race, & Riot in Wartime L.A. by Eduardo Obregon Pagan (The University of North Carolina Press 2003)

The Trial

Six hundred Mexican American youth were rounded up by a citywide dragnet led by the Los Angeles Police Department (LAPD). Eventually twenty-two alleged members of the 38th Street Gang were accused of the murder of José Díaz. Young women of the 38th Street Gang were also detained and placed in jail on suspicion of wrongdoing.

On October 13, 1942 People v. Zamora went to trial as the largest mass trial in California history. The trial took place in an atmosphere of intense prejudice fed and sustained by the press in Los Angeles. Throughout the trial the prosecutor pointed to the clothing and hairstyle of Pachucos as evidence of their guilt. This only added fuel to the fire of prejudice held by the non-Latino community. The prejudice and discrimination encountered by Leyvas and the 38th Street Gang was an example of racial profiling.

In failing to provide an unbiased trial, the United States Justice System failed to protect its citizens. Today, the trial is still considered by many as one of the most egregious miscarriages of justice in the United States.

The Conviction

On January 12, 1943 in the case of People v. Zamora, presided by Judge Charles Fricke, the court found five of the seventeen defendants in the case guilty of assault and sentenced to six months to one year in jail. Nine were found guilty of second degree murder and sentenced to five years to life. Henry Leyvas, Jose Ruiz and Robert Telles were found guilty of first degree murder and sentenced to life imprisonment. The twelve found guilty of murder were sent to San Quentin State Prison to serve their sentences.

The young women of the 38th Street Gang refused to testify against the gang during the trial. Due to their refusal to cooperate they were sent to the Ventura School for Girls, a women’s reformatory, without benefit of trial or jury. Dora Baca, Henry’s girlfriend, was among the five young women sent to this reformatory.

Mrs. Guadalupe Leyvas (Henry’s mother) at the arraignment. (Herald Examiner Collection, L.A. Public Library)

Sleepy Lagoon Defense Committee

Following the trial, the Sleepy Lagoon Defense Committee (SLDC) was organized by the community. Attorney and author Carey McWilliams served as chair to the committee. The goals of the SLDC were to raise community awareness and to fund a legal appeal for the young men of the 38th Street Gang who were serving sentences.

The committee quickly drew people from the community, film industry, education, political arena and labor unions. Alice McGrath joined the SLDC after the members of the 38th Street Gang were imprisoned. She became the executive secretary of the organization. Every six weeks she paid visits to the sentenced members, reviewed the progress of the committee, distributed SLDC news bulletins and raised morale. By 1944 the SLDC had raised enough money and the
case was moved to the Second District Court of Appeals. In October of the same year Judge Clement Nye overturned the verdicts of the case citing insufficient evidence, the denial of the defendants’ right to counsel and the overt bias of Judge Fricke in the courtroom. Henry Leyvas and the 38th Street Gang were released and their sentences overturned.


Ad Council Timeline

The Savings (or War) Bonds campaign was not only the organization's first campaign, but also its most successful campaign to date. Begun in 1942 by the then War Advertising Council, the campaign encouraged Americans to support the war effort by purchasing war bonds. By the time the campaign ended 38 years later, millions of Americans had purchased $35 billion in War/Savings Bonds.


The Orange Revolution

In late 2004, hundreds of thousands of people flooded Kiev's main square to protest the results of the Ukrainian presidential election. Demonstrations continued for 12 days through sleet and snow until a revote was called, reversing the results and putting the opposition candidate (whose party colors are orange) in office instead.

Editor's Note: This article was first published in 2011 and updated in 2020 to reflect new protests and movements.

For a limited time, you can take out a digital subscription to any of our best-selling science magazines for just $2.38 per month, or 45% off the standard price for the first three months.View Deal

Stay up to date on the latest science news by signing up for our Essentials newsletter.

Thank you for signing up to Live Science. You will receive a verification email shortly.


Assista o vídeo: Destaque do dia - 13 de Janeiro de 1942