Embarcação de desembarque dos EUA em Okinawa

Embarcação de desembarque dos EUA em Okinawa


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Embarcação de desembarque dos EUA em Okinawa

Esta imagem mostra a escala do esforço americano em Okinawa, com uma enorme frota ao fundo e enormes pilhas de suprimentos à frente. Na frente estão quatro LCT (6) - 1049, 1265 e 1415 mais 11 ??. Atrás deles está o LSM 220


Banco de dados da Segunda Guerra Mundial


ww2dbase O & # 34Landing Craft, Vehicle, Personnel & # 34 (ou LCVP) era um projeto de barco instrumental para a transição de tropas da água para a terra. O General Dwight D. Eisenhower falou muito bem do LCVP e do que ele permitiu que os Aliados fizessem na Europa. A história do LCVP, no entanto, está intrinsecamente ligada à história do designer de embarcações, Andrew J. Higgins, tanto que fora dos registros oficiais, o LCVP era quase universalmente conhecido como o Barco Higgins.

ww2dbase Todas as muitas considerações táticas para colocar as tropas de assalto em terra são reduzidas à exigência de pequenos barcos para levar as tropas para uma praia não reformada. Antes do LCVP, os pequenos barcos tradicionais da época não eram adequados para esta tarefa por uma razão ou outra porque seu calado era muito profundo impedindo-os de chegar perto da praia, ou seu calado era muito raso, então eles eram jogados no surfar, suas hélices ou lemes danificados quando batiam em pedras, ou sair do barco exigia que as tropas subissem e saltassem pela amurada com seu próprio conjunto de perigos. Andrew Higgins ouviu a lista de reclamações e sorriu porque para ele a solução era quase óbvia.

ww2dbase Baseado em Nova Orleans, Higgins projetou o Eureka Boat em 1926, um barco de madeira de calado raso usado com muito sucesso por perfuradores de petróleo e caçadores ao longo da costa do Golfo e dos igarapés da Louisiana. O projeto recuou a hélice em um meio túnel na parte inferior do casco para que o barco pudesse operar em águas rasas, onde detritos flutuantes e raízes de mangue submersas normalmente danificariam as hélices padrão. Projetos posteriores também incluíam um arco & # 34spoonbill & # 34 que permitia aos barcos subirem às margens do rio e então recuarem facilmente. O arco do colhereiro juntamente com a cavidade da hélice recuada deu ao fundo do barco uma forma côncava incomum para a frente que fez a transição para uma forma convexa na popa. Esta forma foi talvez a característica de design mais inovadora do barco. Esses barcos podiam correr em águas rasas a uma velocidade relativamente alta e virar quase dentro do seu próprio comprimento. Higgins sabia que todas essas características eram exatamente o que era necessário em uma embarcação de desembarque militar.

ww2dbase Com apenas pequenas modificações, Eureka Boats participou de exercícios do Corpo de Fuzileiros Navais no início de 1939 e recebeu críticas muito favoráveis. Esses barcos entraram em serviço como LCP (L) e prestaram serviço extensivo na Segunda Guerra Mundial, principalmente com as forças britânicas. O LCP (L) ainda tinha uma proa fechada, então as tropas ainda tinham que pular pela lateral ou fora da proa e isso também proibia o transporte de qualquer equipamento maior do que o que as tropas podiam levantar. Em 1941, Higgins pegou emprestado um conceito usado pelos japoneses desde 1937 e instalou uma rampa de proa de aço, e assim todos os elementos de design final da nave de desembarque e # 39 foram reunidos.

ww2dbase Higgins se dava bem com a Guarda Costeira, mas isso não lhe dava nenhuma vantagem com a Marinha. Ele não fazia parte do círculo confortável de estaleiros e construtores regulares da Marinha e a Marinha estava pressionando por outro projeto de barco de desembarque. Apesar desses obstáculos burocráticos, os pontos fortes do design do Higgins & # 39 venceram e o barco com uma rampa de proa de largura total entrou em produção como LCVP.

ww2dbase O LCVP não era um barco grande, apenas 36 pés de comprimento. Apesar de seu tamanho compacto, eles podiam transportar um pelotão inteiro de 36 homens, um jipe ​​com um esquadrão de 12 homens, ou 3.000 libras de carga. Os barcos puxaram apenas 3 pés de água para a popa e 2 pés para a frente. Os barcos podiam correr para a praia e então voltar facilmente para águas mais profundas. Na praia, a rampa de aço na frente poderia ser largada rapidamente para descarregar homens e suprimentos rapidamente e permitir que o barco saísse da praia depois de apenas alguns minutos.

ww2dbase Para implantação, os Barcos Higgins eram normalmente carregados a bordo de Navios de Transporte de Ataque (APAs) que também transportavam as tropas e / ou equipamentos a serem desembarcados. As embarcações de desembarque foram colocadas na água e carregadas com tropas e / ou carga enquanto estavam offshore e fora do alcance das baterias de costa inimigas. A embarcação de desembarque então se formaria com embarcações de desembarque de outros navios em grandes grupos chamados ondas e seguiriam juntos para a praia.

ww2dbase 23.000 LCVPs foram construídos e o Barco Higgins participou de quase todos os desembarques anfíbios significativos feitos pelas forças dos EUA durante a guerra. No Teatro Europeu, LCVPs foram partes integrantes das estratégias de pouso no Norte da África, Sicília, Salerno, sul da França e, é claro, na Normandia. No Pacífico, os barcos entraram em ação nas Solomons, em Tarawa, Leyte e Luzon nas Filipinas, Iwo Jima e Okinawa. O LCVP prestou serviço na década de 1950 e participou dos desembarques das Nações Unidas em Inchon, Coreia do Sul, em setembro de 1950.

ww2dbase O conceito de design básico foi ampliado em uma variedade de tamanhos de embarcações de desembarque maiores, incluindo a Landing Craft Mechanized (LCM), o Landing Craft Tank (LCT) e outros.

ww2dbase O historiador e coronel aposentado do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA Joseph H. Alexander resumiu o valor do Barco Higgins: & # 34É impossível exagerar as vantagens táticas que esta nave deu aos comandantes anfíbios dos EUA na Segunda Guerra Mundial. & # 34

ww2dbase O Comandante Supremo Aliado na Europa Ocidental, Dwight D. Eisenhower, disse sobre a nave de desembarque: & # 34Andrew Higgins. é o homem que ganhou a guerra por nós. . Se Higgins não tivesse projetado e construído esses LCVPs, nunca poderíamos ter pousado em uma praia aberta. Toda a estratégia da guerra teria sido diferente. & # 34

ww2dbase Fontes:
Banco de dados de Brian Hyatt da Segunda Guerra Mundial, Andrew Higgins
Michael Williams A Continuous Lean, 30 de maio de 2011
Jared Bahr Higgins: o homem esquecido
NavSource Naval History
Sociedade Marítima de Arqueologia e História
O Museu Nacional da Segunda Guerra Mundial
História do Hipertexto da Segunda Guerra Mundial
Wikipedia


Trazendo o 102 para casa

Em 1997, a Associação Nacional de LCS (L) 1-130 soube que o último navio operacional de Apoio à Embarcação de Pouso estava sob custódia da Marinha Real da Tailândia.

O trabalho de restauração inicial foi concluído com a ajuda de "Boyz Under The Hood", um grupo de colecionadores de automóveis clássicos e entusiastas de Vallejo.

Um grupo de Veteranos da Marinha, gradualmente reunido ao longo dos anos, agora continua a manter e restaurar o 102. Saiba mais sobre nossos voluntários aqui.


Banco de dados da Segunda Guerra Mundial


ww2dbase No início da Guerra Europeia, os britânicos estabeleceram um requisito para um design provisoriamente denominado como & # 34Giant Raiding Craft & # 34, ou & # 34GRC & # 34. Imaginou-se que grandes embarcações com cerca de 150 pés de comprimento seriam capazes de enviar 200 soldados diretamente para praias a até 230 milhas de distância do Reino Unido para conduzir ataques ocasionais, que tentariam amarrar uma presença alemã significativa em ocupou a França para se defender contra tais ataques. Como o desenvolvimento estava em andamento, os britânicos procuraram a Marinha dos Estados Unidos para contratos de construção em potencial, mas a Marinha dos Estados Unidos não se interessou. O Exército dos Estados Unidos, com sua própria necessidade de embarcações de desembarque, aceitou a joint venture. O projeto final resultou ser uma nave com comprimento de 160 pés, boca de 23 pés, calado dianteiro de 2 pés e 6 polegadas e calado de popa de 4 pés e 5 polegadas. A embarcação foi projetada para transportar uma tripulação de 24 (3 oficiais e 21 alistados) e 188 passageiros (6 oficiais e 182 alistados) ou 75 toneladas de carga. Além do espaço de carga ou de passageiros, os porões abaixo do convés também podiam conter 120 toneladas de combustível, 240 galões de óleo lubrificante e 36 toneladas de água doce em cada embarcação de desembarque. O design da embarcação foi mantido muito simples para acelerar a construção, daí o formato da caixa. Inicialmente, eles deveriam estar completamente desarmados, mas logo percebeu-se que não era realista presumir que esses transportes não precisassem ser armados, pois estariam sob fogo quando desembarcassem tropas em praias hostis. Eles receberam, portanto, armamento antiaéreo leve composto por quatro ou cinco canhões automáticos Oerlikon Mk 4 de 20 milímetros. Alguns deles tinham um canhão Bofors de 40 milímetros na proa para maior poder de fogo. Os britânicos planejavam substituir duas metralhadoras Lewis Mk I de 0,303 polegadas para defesa aérea.

ww2dbase O primeiro contrato foi oficialmente assinado com George Lawley & amp Sons Shipbuilding Corporation (Neponset, Massachusetts, Estados Unidos) e New York Shipbuilding Corporation (Camden, New Jersey, Estados Unidos) em 3 de junho de 1942, e a produção começou no mês seguinte, e logo após o design foi designado & # 34Landing Craft, Infantry (Large) & # 34, ou LCI (L) ou simplesmente LCI para abreviar. Os primeiros protótipos foram lançados, LCI-1 e LCI-209, e testados em setembro e outubro de 1942. No final de 1942, um grupo de oito LCIs fez sua primeira viagem ao Oceano Atlântico de Norfolk, Virgínia, Estados Unidos às Ilhas Bermuda eles resistiram aos ventos da Força 4, provando-se em condições de navegar, embora também rolassem mal. 299 das embarcações de desembarque da subclasse LCI-1 foram construídas 45 embarcações da subclasse LCI-1 em andamento foram canceladas para acelerar ao longo da subclasse LCI-351 aprimorada. 211 deles foram transferidos para a Marinha Real Britânica no âmbito do programa Lend-Lease.

ww2dbase A embarcação de desembarque da subclasse LCI-351 tinha melhores acomodações e áreas de trabalho maiores para tropas e tripulações, as escotilhas foram aumentadas para aceitar liteiras e as estruturas da ponte eram mais arredondadas (as estruturas da ponte da subclasse LCI-1 eram retangulares) . Seus porões abaixo do convés retinham aproximadamente a mesma quantidade de combustível e água que seus predecessores (10 toneladas a menos de combustível, mas 1 tonelada a mais de água). A primeira embarcação de desembarque da subclasse LCI-351 foi lançada em 5 de março de 1943, lançada em 8 de abril e comissionada em 14 de maio.

ww2dbase Como as embarcações de desembarque de LCI foram projetadas para serem versáteis, capazes de navegar em águas rasas, e já foram construídas para resistir a fogo inimigo, algumas delas foram convertidas para servir como embarcações de apoio de fogo. Essas embarcações de desembarque convertidas carregavam uma grande variedade de armamentos, como canhões de 3 polegadas, canhões de 5 polegadas, morteiros de 4,2 polegadas, foguetes de barragem de 4,5 polegadas e foguetes de barragem de 5 polegadas. Algumas das outras variantes incluem embarcações de comando, transportes de munição e embarcações para equipes de demolição subaquática.

ww2dbase A primeira missão de combate que empregou embarcações de desembarque LCI foi a invasão da Operação Tocha do Norte da África em novembro de 1942, onde as embarcações da Marinha Real Britânica LCI navegaram diretamente do Reino Unido, enquanto as ilhas americanas cruzaram o Oceano Atlântico. O primeiro uso de embarcações de desembarque de LCI na Guerra do Pacífico foi durante os desembarques de junho de 1943 na Nova Geórgia, Ilhas Salomão, onde eles enviaram o segundo e o quarto escalão de tropas para as ilhas. Eles eram valorizados por sua capacidade de viajar em áreas rasas de água nos atóis onde os transportes LST maiores não podiam, e eles eram capazes de enviar economicamente pequenas forças para áreas insulares remotas. Eles também foram usados ​​durante a invasão da Sicília, Itália, em julho de 1943, onde desembarcaram tropas durante a madrugada enquanto enfrentavam fogo hostil. De volta ao Oceano Pacífico, em janeiro de 1944, a invasão de Kwajalein nas Ilhas Marshall foi apoiada por 12 embarcações LCI (FS), que eram embarcações LCI equipadas com lançadores de foguetes. Embora os foguetes não tenham causado necessariamente danos significativos, nem as armas e canhões que se abriram após os foguetes, eles foram valorizados por seus efeitos desmoralizantes sobre os japoneses, bem como para reunir o espírito das tropas de invasão prestes a desembarcar em praias hostis .

ww2dbase Até agora, as embarcações de desembarque de ambas as subclasses apresentavam rampas em ambos os lados da proa para o desembarque das tropas. Uma terceira subclasse, LCI-402, apresentava rampas de proa de linha central semelhantes às dos navios de desembarque LST. Depois de 1º de junho de 1944, todas as embarcações de desembarque de LCI em construção foram equipadas com portas em arco.

ww2dbase Durante a campanha de Okinawa, 42 embarcações LCI (M) (equipadas com morteiros) apoiaram os pousos iniciais, disparando 28.000 tiros em uma faixa de 5,5 milhas de largura e 300 jardas de profundidade durante a primeira hora de pousos. Conforme os combates avançam para o interior, eles tendem a circular em torno de navios maiores equipados com radar, como destróieres, e quando chamados, os navios equipados com radar retransmitem a direção e distância dos alvos para a nave LCI (M), que então perderia barragens de morteiros nas posições japonesas suspeitas.

ww2dbase No início de 1945, 25 embarcações de desembarque de LCI foram transferidas para a Rússia. As tripulações russas que mais tarde manobraram essas embarcações de desembarque foram treinadas pelo pessoal da Guarda Costeira dos Estados Unidos em Cold Bay, Alasca, Estados Unidos.

ww2dbase Após a guerra, a maioria das embarcações de desembarque de LCI foram desativadas pela Marinha Real e pela Marinha dos Estados Unidos nos primeiros dois anos, embora algumas tenham sido usadas durante a Guerra da Coréia e um número muito pequeno de embarcações de apoio de fogo durante a Guerra do Vietnã. A maioria deles foi sucateada, vendida a marinhas estrangeiras ou vendida no mercado civil.


75 anos atrás: Operações da Guarda Costeira dos EUA em Okinawa

LSTs em Okinawa (USCG)

Publicado em 4 de maio de 2020, 13:56 por Notícias da Guarda Costeira dos EUA

[Por BM1 William A. Bleyer, Guarda Costeira dos EUA]

No final de março de 1945, quase 1.300 navios das forças aliadas da América, Grã-Bretanha, Austrália, Nova Zelândia e Canadá se reuniram para apoiar a maior operação anfíbia da Guerra do Pacífico e a invasão das ilhas Okinawa e Ryukyu.

Mapa mostrando as Ilhas Ryukyu, incluindo Okinawa e a vizinha Kerama Retto. (Guarda Costeira dos EUA)

Okinawa é uma grande ilha, com sessenta milhas de comprimento e quase dez de largura. Encontra-se a apenas 360 milhas do Japão e fazia parte do império colonial japonês. Os líderes japoneses estavam determinados a manter a ilha, tanto por orgulho nacional quanto como uma chave para seu perímetro defensivo no Mar da China Oriental. Embora seus habitantes nativos não se considerassem japoneses, para os líderes japoneses Okinawa era seu território. Tentando manter seu ímpeto de & ldquoisland saltando & rdquo, os planejadores aliados queriam se aproximar das ilhas domésticas pousando na & ldquoback alpendre & rdquo do Japão em Okinawa.

Os estrategistas militares aliados deram um codinome ao plano para invadir a Operação Okinawa & ldquoIceberg. & Rdquo Anexada à armada de invasão estava a maior frota de navios da Guarda Costeira a participar de uma operação naval da Segunda Guerra Mundial. Ao todo, a Guarda Costeira operou sete transportes, 29 LSTs (Landing Ship, Tank), 12 LCIs (Landing Craft, Infantaria), cortadores de alta resistência Bibb e Taney, boia tenro Woodbinee caçador de submarinos PC-469. Muitos desses navios e suas tripulações da Guarda Costeira eram veteranos de campanhas anfíbias nos teatros do Pacífico, Atlântico e Mediterrâneo.

LSTs desembarcam equipamentos e suprimentos nas praias de Okinawa. Ao longe, avistam-se dezenas de embarcações da frota de invasão. (Guarda Costeira dos EUA)

Para a defesa de Okinawa, o Exército Imperial Japonês e a Marinha Imperial montaram centenas de aeronaves, pequenos barcos, torpedos tripulados e aeronaves suicidas kamikaze (que significa "Vento Divino"). Os defensores japoneses da ilha somavam 120.000 soldados. Os Aliados comprometeram mais de 500.000 homens, incluindo três divisões do Corpo de Fuzileiros Navais e quatro divisões de infantaria do Exército com uma divisão de infantaria do Exército mantida na reserva na Nova Caledônia.

Seis dias antes do desembarque principal, uma força-tarefa aliada invadiu as ilhas Kerama Retto cerca de 20 milhas a oeste de Okinawa. A força-tarefa incluiu o cortador Bibb, seis LSTs tripulados pela Guarda Costeira e tropas do Exército dos EUA e 77ª Divisão de Infantaria. O LST-829 tripulado pela Guarda Costeira teve a honra de desembarcar o primeiro soldado de infantaria a invadir as ilhas dominadas pelos japoneses. Depois de capturar Kerama Retto, essas tropas montaram um depósito de abastecimento avançado, base de reparos e campo aéreo para apoiar as forças de invasão.

Os planejadores militares aliados designaram 1º de abril como & ldquoL-Day & rdquo, o dia do desembarque em que a invasão de Okinawa começaria. Como em campanhas anteriores, os Aliados restringiram as operações aéreas e marítimas inimigas locais antes de iniciar a invasão. Além disso, a Marinha trouxe duas frotas de bombardeio e, por mais de uma semana antes do desembarque, aviões porta-aviões, bombardeiros pesados ​​B-29 e navios de guerra suavizaram as posições inimigas.

Seção intermediária queimada do LST-884 após o ataque kamikaze mortal. (Guarda Costeira dos EUA)

No início da manhã do domingo de Páscoa, milhares de navios da armada chegaram ao largo de Okinawa. Às 8h30, os navios de apoio de fogo começaram a lançar uma intensa barragem em terra. Mais de 500 aviões de porta-aviões americanos enxamearam sobre as áreas de pouso para derrubar as posições inimigas. Os estrategistas aliados haviam planejado o ataque inicial para os lados oeste e sul da ilha porque dois campos de aviação inimigos estavam próximos. Durante os desembarques iniciais, as forças aliadas colocaram em terra quatro divisões lado a lado em uma frente de praias de 13 quilômetros.

Os LSTs tripulados pela Guarda Costeira atuaram com sua eficiência usual, tanto durante os pousos iniciais quanto com apoio logístico vital nas semanas seguintes. Essas embarcações desajeitadas, também conhecidas como & ldquoLarge, Slow Targets & rdquo, chegaram após cerca de uma semana no mar sobrecarregadas com tropas e suprimentos. Eles ficavam perto das praias e regularmente faziam cortinas de fumaça para os navios de invasão enquanto suas tripulações corriam para os alojamentos durante incontáveis ​​ataques aéreos.

Foto do LST-884 tripulado pela Guarda Costeira descarregando tropas e suprimentos antes do catastrófico ataque kamikaze em Okinawa. (Guarda Costeira dos EUA)

No dia L, LST-884 abordado com a frota de invasão, navegando a três nós em direção às praias. Por volta das 6h00, sob um céu enluarado, os aposentos gerais foram ouvidos para a tripulação da Guarda Costeira e os 300 fuzileiros navais. Menos de 30 minutos depois, os vigias avistaram três aviões japoneses voando cerca de 250 pés acima da água caindo sobre a frota de invasão. LST-884 e rsquos armas de fogo e armas de outros navios abriram fogo. A barragem derrubou dois aviões. O terceiro explodiu em chamas e se chocou contra o lado de bombordo do LST. A aeronave passou pela loja do shipfitter & rsquos e continuou no convés do tanque, onde explodiu com um rugido tremendo.

As equipes de reparos trabalharam febrilmente para apagar o fogo, mas o kamikaze havia se chocado com a munição de morteiro armazenada. O fogo intenso e a explosão da munição impossibilitaram os homens de combater o fogo e uma fumaça densa começou a encher o 884. À medida que o fogo queimava fora de controle, o perigo de chamas atingindo os tanques de combustível aumentava. Às 5h55, o oficial comandante, tenente Charles Pearson, ordenou que o navio fosse abandonado e os homens sobreviventes fossem transferidos para embarcações próximas. Depois que a maior parte da munição explodiu, o tenente Pearson voltou ao LST com voluntários e apagou o fogo. Eles salvaram o navio, mas 19 fuzileiros navais e um guarda costeiro morreram no inferno.

Tropa transporta Joseph T. Dickman fundeado no Pacífico, descarregando suprimentos para LCVPs em guerra sob um céu nublado. (Marinha dos Estados Unidos)

Apesar dos ataques kamikaze, os desembarques ocorreram melhor do que talvez qualquer outro na invasão do Pacífico. Os transportes de tropas tripulados pela Guarda Costeira entraram na briga no primeiro dia. O transporte Joseph T. Dickman chegou à área de transporte às 5:40 da manhã no dia L. o Dickman teve a bordo um total de 1.368 soldados, 99 veículos e mais de 83.000 pés cúbicos de carga. O carregamento de combate para um ataque anfíbio foi comparado a um jogo de xadrez que não pode ser vencido, e o carregamento misto de tropas e suprimentos causou atrasos no descarregamento. o Dickman continuou a descarregar até 9 de abril, Dia L mais sete. Em 28 de março, o Cambria partiu do Atol Ulithi chegando ao largo de Okinawa pouco antes das 5h00 do dia 1º de abril. O transporte serviu como carro-chefe para um dos grupos de transporte e passou três dias descarregando tropas e cargas. Em 3 de abril, o Cambria enviou à praia um grupo de três oficiais e 43 homens na praia para acelerar os suprimentos para as linhas de frente.

Beachmasters da Guarda Costeira e seus homens travaram uma guerra contra um inimigo invisível dos recifes de coral. As festas na praia explodiram várias cabeças de coral, permitindo o acesso de embarcações de desembarque às zonas de desembarque. Devido à necessidade de suprimentos, os beachmasters descarregaram o maior número possível de embarcações de desembarque por seis horas próximo à maré alta, empilharam os suprimentos na praia e então moveram o material para o interior na maré baixa. Infelizmente, isso manteve os transportes fundeados por longos períodos, colocando as embarcações em risco de ataques de kamikazes, barcos suicidas e torpedeiros.

Kamikaze fotografado pouco antes de colidir com um navio da Marinha Aliada. (Marinha dos Estados Unidos)

Os Aliados aplicaram as lições aprendidas com os ataques anfíbios anteriores. Várias horas após a chegada dos transportes de tropas, embarcações de controle foram posicionadas nas praias para estabelecer uma linha de partida. Cada uma das embarcações de controle exibia um banner colorido exclusivo correspondente à cor que designava cada praia. Um barco-guia então direcionou cada onda de embarcações da linha de partida até a praia. Esses barcos também exibiam uma flâmula que correspondia à cor da praia. Além disso, as embarcações de desembarque nas ondas iniciais tinham a cor da praia pintada em seus topos. Quando a primeira onda alcançou a costa, o grupo de desembarque ergueu uma bandeira colorida para guiar as embarcações de desembarque que chegam mais tarde. Este sistema de coloração simplificou o movimento dos barcos da linha de saída para a praia e ajudou os beachmasters a reconhecer os barcos e direcioná-los para as áreas de desembarque adequadas.

Com exceção de alguns ataques aéreos, artilharia leve e morteiros, os japoneses não contestaram os pousos na praia. No Dia L, as forças navais aliadas desembarcaram 50.000 soldados. Em dois dias, essas tropas lutaram no lado leste da ilha, dividindo as forças japonesas em dois. A resistência na parte norte da ilha caiu rapidamente, mas a resistência japonesa cresceu tenaz na extremidade sul.

Tropas chegando em terra de um LCVP do Dickman à esquerda. (Marinha dos Estados Unidos)

Em 6 de abril, os japoneses iniciaram um contra-ataque contra a frota de invasão. Para atacar os navios aliados, os japoneses usaram torpedos tripulados e pequenas lanchas carregadas de explosivos. Os japoneses esconderam mais de 250 desses barcos suicidas ao redor da ilha, no entanto, as forças aliadas capturaram áreas costeiras antes que a maioria fosse enviada. Caçador de submarinos da Guarda Costeira PC-469 encontrou três barcos suicidas que afundaram dois em um tiroteio de curta distância e afastou um terceiro. PC-469 também abateria duas aeronaves inimigas mais tarde na batalha.

Dentro do alcance de vôo das ilhas japonesas, a frota aliada foi submetida a ataques aéreos frequentes, muitos deles por kamikazes. Esses ataques suicidas foram mortais e incluíram aeronaves convencionais e bombas voadoras movidas a foguetes, chamadas Ohkas, lançadas de naves-mãe de bombardeiros. Os caças aliados enfrentaram os atacantes japoneses enquanto canhões antiaéreos de todos os calibres montados em navios disparavam freneticamente em direção ao céu contra o inimigo. Os kamikazes focavam em grandes navios como porta-aviões, mas atacavam qualquer alvo de oportunidade. Cortadores da Guarda Costeira de 327 pés Bibb e Taney, veteranos da Batalha do Atlântico, serviram como navios de comando anfíbios e se viram no meio da ação. Bibb sobreviveu a 55 ataques aéreos e abateu uma aeronave. Taney, que começou a guerra em 7 de dezembro de 1941, disparando contra aviões japoneses que atacavam Pearl Harbor, estabeleceu quartéis gerais 119 vezes, abateu pelo menos quatro aeronaves inimigas e até mesmo levou fogo de uma bateria de costa japonesa.

Coast Guard Cutter Bibb configurado como um navio de comando anfíbio com antena de rádio adicional e armas antiaéreas. (Guarda Costeira dos EUA)

Cada vez mais desesperados para impedir a invasão, os japoneses até mesmo fizeram uma surtida Yamato, o maior navio de guerra do mundo, em uma missão suicida unilateral para atacar a frota de invasão. No entanto, o porta-aviões americano afundou o gigante inimigo antes que ele chegasse a Okinawa. Durante a campanha, ataques suicidas afundaram seis navios aliados e danificaram outros 120 navios.

Okinawa foi a última grande invasão da guerra. Apesar de sua superioridade numérica, os Aliados levaram três meses para proteger a ilha. A batalha ceifou mais de 13.000 vidas americanas e feriu mais 36.000. Os japoneses perderam 120.000 homens, incluindo soldados, pilotos e pessoal naval. Frequentemente apanhada no fogo cruzado ou convocada para lutar pelos japoneses, quase metade da população civil de Okinawa morreu na batalha.


Os guardas costeiros visitam o cemitério militar temporário de Okinawa e rsquos para homenagear um companheiro de navio morto. (Guarda Costeira dos EUA)

A Campanha de Okinawa foi uma das inúmeras operações apoiadas pela Guarda Costeira na Segunda Guerra Mundial. Os navios tripulados pela Guarda Costeira participariam de outros ataques anfíbios menores e apoiariam as forças aliadas enquanto ocupavam o Japão após sua rendição em agosto de 1945. Em 1946, na cerimônia de devolução da Guarda Costeira ao Departamento do Tesouro, o secretário da Marinha, James Forrestal, afirmou que a Guarda Costeira & ldquoErecebeu o mais alto respeito e o mais profundo apreço da Marinha e do Corpo de Fuzileiros Navais. Seu desempenho de dever obedeceu, sem exceção, às mais altas tradições do serviço naval. & Rdquo

Durante a guerra, os homens e mulheres da Guarda Costeira dos Estados Unidos demonstraram a prontidão de combate do Service & rsquos e seguiram seu lema, Sempre Paratus.

Este artigo é cortesia da Coast Guard Compass e pode ser encontrado em sua forma original aqui.

As opiniões aqui expressas são do autor e não necessariamente do The Maritime Executive.


LCVP: Higgins & # 8217 Boxy Barge teve um passado de proibição


O LCVP (mais conhecido como o barco Higgins) era um dos favoritos dos rumrunners costeiros, mas se consolidou como uma embarcação de desembarque da Segunda Guerra Mundial nas cabeceiras de praia da Normandia a Guadalcanal. (Ilustração de Gregory Proch)

A espinha dorsal da guerra anfíbia americana na Segunda Guerra Mundial começou como um barco de madeira de calado raso projetado para caçadores e perfuradores de petróleo da Louisiana pelo madeireiro Andrew Jackson Higgins, que gradualmente transformou sua construção naval em seu principal negócio. Seu barco Eureka de 36 pés de comprimento poderia chegar a 20 nós ou mais rápido e se tornou a embarcação de escolha para rumrunners da era da Lei Seca e as tripulações da Guarda Costeira que os caçavam.

Enquanto a guerra se aproximava, o Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, ciente de que os japoneses estavam usando embarcações de desembarque semelhantes com rampas de proa retráteis na China, lutou durante anos para adotar o barco Eureka de Higgins contra os protestos de uma Marinha que insistia em projetar sua própria embarcação. Higgins construiu seu protótipo de pinho, carvalho e mogno, com chapas de aço de ¼ de polegada na frente e nas laterais. Com a adição de uma rampa de proa em 1941, a Marinha concedeu a superioridade do barco de Higgins, e naquele junho o primeiro LCVP (Landing Craft, Vehicle, Personnel) entrou no arsenal naval dos EUA. Apenas seis meses depois, o ataque japonês a Pearl Harbor atraiu os Estados Unidos para a guerra anfíbia mais prolongada da história.

Entre 1942 e 1945, Higgins e licenciados construíram mais de 23.000 LCVPs. O barco Higgins, como se tornou popularmente conhecido, foi usado em todas as frentes, da Sicília à Normandia, de Guadalcanal a Okinawa, desembarcando mais tropas do que todas as outras embarcações combinadas.


Embarcação de desembarque Higgins e # 8211 The Boat That Won Segunda Guerra Mundial

A nave de desembarque Higgins não pode ser esquecida ao discutir os fatores que levaram à vitória dos Aliados na Segunda Guerra Mundial. Andrew Jackson Higgins criou o LCVP que trouxe os Aliados para as praias da Normandia em 1944. O General Dwight D. Eisenhower disse uma vez que Higgins foi “o homem que ganhou a guerra por nós”.

Higgins começou a construir barcos em Nova Orleans. As Indústrias Higgins tornaram-se conhecidas pelos tipos de barcos que eram úteis nas baías rasas da Louisiana. Um de seus primeiros projetos era conhecido como o barco Eureka, ou Colhereiro. Os fuzileiros navais dos EUA acabariam por usar a nave por causa de sua utilidade e durabilidade.

Higgins em 1944.

Por causa do design exclusivo de Higgins, a nave podia manobrar em apenas 45 centímetros de água. Ao colocar um bloco de madeira na proa (chamado de “tronco de cabeça”), a embarcação se tornou quase indestrutível em águas carregadas de destroços ou quando encalhou. A hélice foi enfiada no casco, protegendo-o dos detritos e do contato com o solo. Esses recursos provaram ser úteis quando Higgins projetou o barco Higgins.

Com os fuzileiros navais dos EUA já interessados ​​em seus projetos, Higgins foi convidado a criar uma nova versão do Eureka, incorporando elementos necessários aos militares. O novo barco teria um casco em V profundo à frente, uma seção de curva reversa no meio e duas seções planas na popa que protegeria a hélice e o eixo.

USS Darke (APA-159) e # 8217s LCVP 18, possivelmente com tropas do exército como reforços em Okinawa, por volta de 9 a 14 de abril de 1945.

A curva reversa empurraria os detritos para longe do casco, e as seções planas funcionavam como um catamarã, permitindo um efeito de planagem que aumentava a velocidade e a capacidade de manobra. Os fuzileiros navais adicionaram uma rampa de proa e o LCVP do Dia D foi concluído.

O Higgins tinha 36 pés LOA com uma viga de 10 pés e podia conter 36 homens e duas metralhadoras calibre .30, e ainda, cruzeiro a 12 nós. A embarcação foi capaz de desembarcar milhares de soldados nas praias da Normandia, levando à derrota dos nazistas.


Embarcação de desembarque dos EUA em Okinawa - História

Cinquenta anos atrás, nesta semana, o escopo do envolvimento militar americano no apoio à República do Vietnã (criado na sequência dos Acordos de Genebra entre oficiais franceses e vietnamitas nacionalistas em 1954) se ampliou de forma visualmente dramática. Uma reminiscência das imagens do Dia D da Normandia, ou, mais comparativamente, as de Douglas MacArthur e suas forças retornando às Filipinas uma geração antes, a primeira unidade de combate americana do tamanho de um batalhão desembarcou perto da base aérea estratégica de Da Nang, e as imagens desses fuzileiros navais simbolizam a expansão massiva da pegada da América no país desde então. O ano de 1965 começou com cerca de 23.000 conselheiros militares e pessoal de apoio, aumentando para cerca de 181.000 no final do ano, grande parte do aumento composta por forças de combate.

E, claro, eles não apareceram do nada.

8 de março de 1965. Embora Karch tenha enfatizado a missão defensiva de seus fuzileiros navais
para a imprensa, eles deveriam partir para a ofensiva a partir de abril. Mais tarde ele foi citado
no New York Times como dizendo de seu novo inimigo, o Viet Cong, "Eu pensei que
uma vez que eles enfrentaram nosso primeiro time, eles não resistiram e lutaram, mas eles lutaram.
Eu cometi um erro de cálculo. "Karch passou para sua tarefa final em Quantico,
Virgínia em dezembro como diretor do Command and Staff College, até sua
aposentadoria em 1967.

Gen Brig Thi, um herói da população budista do Vietnã do Sul, foi forçado por
oficiais militares rivais para o exílio nos Estados Unidos em 1966, fragmentando ainda mais o
falhas políticas e sectárias no país. ( VIDA )

Em outubro de 1965, a Atividade de Apoio Naval, Da Nang, também conhecido como Camp Tien Sha, seria estabelecida, mais tarde se tornando o maior comando de logística no exterior da Marinha, com mais de 4.000 funcionários navais. Seria desativado em 1973.


LCACs de NBU 7 conduzem operações anfíbias em Blue Beach, Okinawa

OKINAWA, Japan (Sept. 19, 2020) Landing Craft, Air Cushion 10, assigned to Naval Beach Unit 7, currently attached to the amphibious dock landing ship USS Germantown (LSD 42), arrives at Blue Beach during amphibious operations. Germantown, part of Expeditionary Strike Group Seven (ESG 7), along with the 31st Marine Expeditionary Unit, is operating in the U.S. 7th Fleet area of responsibility to enhance interoperability with allies and partners and serve as a ready response force to defend peace and stability in the Indo-Pacific region. (U.S. Navy photo by Mass Communication Specialist 2nd Class Taylor DiMartino)

OKINAWA, Japan (Sept. 19, 2020) Landing Craft, Air Cushion 10, assigned to Naval Beach Unit 7, currently attached to the amphibious dock landing ship USS Germantown (LSD 42), arrives at Blue Beach during amphibious operations. Germantown, part of Expeditionary Strike Group Seven (ESG 7), along with the 31st Marine Expeditionary Unit, is operating in the U.S. 7th Fleet area of responsibility to enhance interoperability with allies and partners and serve as a ready response force to defend peace and stability in the Indo-Pacific region. (U.S. Navy photo by Mass Communication Specialist 2nd Class Taylor DiMartino)

OKINAWA, Japan (Sept. 19, 2020) Landing Craft, Air Cushion 9, assigned to Naval Beach Unit 7, currently attached to the amphibious dock landing ship USS Germantown (LSD 42), conducts amphibious operations on Blue Beach. Germantown, part of Expeditionary Strike Group Seven (ESG 7), along with the 31st Marine Expeditionary Unit, is operating in the U.S. 7th Fleet area of responsibility to enhance interoperability with allies and partners and serve as a ready response force to defend peace and stability in the Indo-Pacific region. (U.S. Navy photo by Mass Communication Specialist 2nd Class Taylor DiMartino)

OKINAWA, Japan (Sept. 19, 2020) Landing Craft, Air Cushion 9, assigned to Naval Beach Unit 7, currently attached to the amphibious dock landing ship USS Germantown (LSD 42), arrives at Blue Beach during amphibious operations. Germantown, part of Expeditionary Strike Group Seven (ESG 7), along with the 31st Marine Expeditionary Unit, is operating in the U.S. 7th Fleet area of responsibility to enhance interoperability with allies and partners and serve as a ready response force to defend peace and stability in the Indo-Pacific region. (U.S. Navy photo by Mass Communication Specialist 2nd Class Taylor DiMartino)

OKINAWA, Japan (Sept. 19, 2020) Landing Craft, Air Cushion 9, assigned to Naval Beach Unit 7, currently attached to the amphibious dock landing ship USS Germantown (LSD 42), conducts amphibious operations in waters off Blue Beach. Germantown, part of Expeditionary Strike Group Seven (ESG 7), along with the 31st Marine Expeditionary Unit, is operating in the U.S. 7th Fleet area of responsibility to enhance interoperability with allies and partners and serve as a ready response force to defend peace and stability in the Indo-Pacific region. (U.S. Navy photo by Mass Communication Specialist 2nd Class Taylor DiMartino)

OKINAWA, Japan (Sept. 19, 2020) Marines with 31st Marine Expeditionary Unit (MEU) offload gear from Landing Craft, Air Cushion 10, assigned to Naval Beach Unit 7, currently attached to the amphibious dock landing ship USS Germantown (LSD 42), during amphibious operations on Blue Beach. Germantown, part of Expeditionary Strike Group Seven (ESG 7), along with the 31st Marine Expeditionary Unit, is operating in the U.S. 7th Fleet area of responsibility to enhance interoperability with allies and partners and serve as a ready response force to defend peace and stability in the Indo-Pacific region. (U.S. Navy photo by Mass Communication Specialist 2nd Class Taylor DiMartino)

OKINAWA, Japan (Sept. 19, 2020) Landing Craft, Air Cushion 10, assigned to Naval Beach Unit 7, currently attached to the amphibious dock landing ship USS Germantown (LSD 42), conducts amphibious operations on Blue Beach. Germantown, part of Expeditionary Strike Group Seven (ESG 7), along with the 31st Marine Expeditionary Unit, is operating in the U.S. 7th Fleet area of responsibility to enhance interoperability with allies and partners and serve as a ready response force to defend peace and stability in the Indo-Pacific region. (U.S. Navy photo by Mass Communication Specialist 2nd Class Taylor DiMartino)

OKINAWA, Japan (Sept. 19, 2020) Landing Craft, Air Cushion 10, assigned to Naval Beach Unit 7, currently attached to the amphibious dock landing ship USS Germantown (LSD 42), arrives at Blue Beach during amphibious operations. Germantown, part of Expeditionary Strike Group Seven (ESG 7), along with the 31st Marine Expeditionary Unit, is operating in the U.S. 7th Fleet area of responsibility to enhance interoperability with allies and partners and serve as a ready response force to defend peace and stability in the Indo-Pacific region. (U.S. Navy photo by Mass Communication Specialist 2nd Class Taylor DiMartino)

OKINAWA, Japan (Sept. 19, 2020) Landing Craft, Air Cushion 10, assigned to Naval Beach Unit 7, currently attached to the amphibious dock landing ship USS Germantown (LSD 42), conducts amphibious operations in waters off Blue Beach. Germantown, part of Expeditionary Strike Group Seven (ESG 7), along with the 31st Marine Expeditionary Unit, is operating in the U.S. 7th Fleet area of responsibility to enhance interoperability with allies and partners and serve as a ready response force to defend peace and stability in the Indo-Pacific region. (U.S. Navy photo by Mass Communication Specialist 2nd Class Taylor DiMartino)

OKINAWA, Japan (Sept. 19, 2020) Landing Craft, Air Cushion 9, assigned to Naval Beach Unit 7, currently attached to the amphibious dock landing ship USS Germantown (LSD 42), departs Blue Beach during amphibious operations. Germantown, part of Expeditionary Strike Group Seven (ESG 7), along with the 31st Marine Expeditionary Unit, is operating in the U.S. 7th Fleet area of responsibility to enhance interoperability with allies and partners and serve as a ready response force to defend peace and stability in the Indo-Pacific region. (U.S. Navy photo by Mass Communication Specialist 2nd Class Taylor DiMartino)

OKINAWA, Japan (Sept. 19, 2020) Boatswain’s Mate 3rd Class Juan Paulo Capati, left, from Vallejo, Calif., with Naval Beach Unit (NBU) 7, signals with flags as a ramp marshal, while Information Systems Technician 2nd Class Patrick Vowell, from Martin, Tenn., also with NBU 7, performs duties as senior ramp marshal as Landing Craft, Air Cushion 9, assigned to NBU 7, currently attached to the amphibious dock landing ship USS Germantown (LSD 42), departs Blue Beach during amphibious operations. Germantown, part of Expeditionary Strike Group Seven (ESG 7), along with the 31st Marine Expeditionary Unit, is operating in the U.S. 7th Fleet area of responsibility to enhance interoperability with allies and partners and serve as a ready response force to defend peace and stability in the Indo-Pacific region. (U.S. Navy photo by Mass Communication Specialist 2nd Class Taylor DiMartino)

OKINAWA, Japan (Sept. 19, 2020) Boatswain’s Mate 3rd Class Juan Paulo Capati, left, from Vallejo, Calif., with Naval Beach Unit (NBU) 7, uses signal flags as a ramp marshal, while Information Systems Technician 2nd Class Patrick Vowell, from Martin, Tenn., also with NBU 7, performs duties as senior ramp marshal as Landing Craft, Air Cushion 9, assigned to NBU 7, currently attached to the amphibious dock landing ship USS Germantown (LSD 42), comes up on cushion during amphibious operations on Blue Beach. Germantown, part of Expeditionary Strike Group Seven (ESG 7), along with the 31st Marine Expeditionary Unit, is operating in the U.S. 7th Fleet area of responsibility to enhance interoperability with allies and partners and serve as a ready response force to defend peace and stability in the Indo-Pacific region. (U.S. Navy photo by Mass Communication Specialist 2nd Class Taylor DiMartino)

OKINAWA, Japan (Sept. 19, 2020) Boatswain’s Mate 3rd Class Juan Paulo Capati, left, from Vallejo, Calif., with Naval Beach Unit (NBU) 7, uses signal flags as a ramp marshal, while Information Systems Technician 2nd Class Patrick Vowell, from Martin, Tenn., also with NBU 7, performs duties as senior ramp marshal as Landing Craft, Air Cushion 9, assigned to NBU 7, currently attached to the amphibious dock landing ship USS Germantown (LSD 42), conducts amphibious operations on Blue Beach. Germantown, part of Expeditionary Strike Group Seven (ESG 7), along with the 31st Marine Expeditionary Unit, is operating in the U.S. 7th Fleet area of responsibility to enhance interoperability with allies and partners and serve as a ready response force to defend peace and stability in the Indo-Pacific region. (U.S. Navy photo by Mass Communication Specialist 2nd Class Taylor DiMartino)

OKINAWA, Japan (Sept. 19, 2020) Landing Craft, Air Cushion 9, assigned to Naval Beach Unit 7, currently attached to the amphibious dock landing ship USS Germantown (LSD 42), sits off-cushion on Blue Beach during amphibious operations. Germantown, part of Expeditionary Strike Group Seven (ESG 7), along with the 31st Marine Expeditionary Unit, is operating in the U.S. 7th Fleet area of responsibility to enhance interoperability with allies and partners and serve as a ready response force to defend peace and stability in the Indo-Pacific region. (U.S. Navy photo by Mass Communication Specialist 2nd Class Taylor DiMartino)


Okinawa

Nossos editores irão revisar o que você enviou e determinar se o artigo deve ser revisado.

Okinawa, ken (prefecture), Japan, in the Pacific Ocean. The prefecture is composed of roughly the southwestern two-thirds of the Ryukyu Islands, that archipelago forming the division between the East China Sea to the northwest and the Philippine Sea to the southeast. Okinawa Island is the largest in the Ryukyus, being about 70 miles (112 km) long and 7 miles (11 km) wide and having an area of 463 square miles (1,199 square km). Naha, on the island, is the prefectural capital.

Before Okinawa became a prefecture during the early part of the Meiji period (1868–1912), it was a semi-independent kingdom under the influence of both Japan and China. Tuna fishing, cattle raising, sugar refining, and pineapple canning constitute Okinawa’s main economic activities, and tourism is of growing importance. Sweet potatoes, rice, and soybeans are also grown on the island, and textiles, sake (rice wine), and lacquerware are manufactured. Offshore wells yield petroleum.


Assista o vídeo: Tipo 071, o poderoso navio chinês de desembarque anfíbio