Homem Clonycavan: um mistério de assassinato de 2.300 anos

Homem Clonycavan: um mistério de assassinato de 2.300 anos


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Em março de 2003, o corpo de um homem que viveu durante a Idade do Ferro foi descoberto em um pântano de turfa na Irlanda. Conhecido como o Homem Clonycavan, os restos bem preservados indicam que o corpo não era de um homem que morreu de uma morte natural ou honrosa, mas de alguém que foi brutalmente assassinado. Os mistérios que cercam sua morte são abundantes. Quem foi esse homem? Por que ele foi assassinado de forma tão brutal? Como seu corpo ficou tão bem preservado por tantos anos? E qual é o significado de seu cabelo bem cuidado?

Os restos mortais do Homem Clonycavan são referidos como um "corpo de pântano". A descoberta de múmias antigas e bem preservadas em turfeiras tem sido bastante difundida. Quando um corpo morto é depositado na água do pântano que é altamente ácida, com baixa temperatura e baixo teor de oxigênio, o corpo pode permanecer intacto por milhares de anos, incluindo pele, cabelo e órgãos. Essas múmias involuntárias nos dão um vislumbre das vidas e mortes de humanos antigos que não eram necessariamente homenageados como reais ou dignitários, como os restos mortais mumificados encontrados no Egito.

O Homem Clonycavan foi encontrado em Clonycavan, County Meath, na Irlanda, em uma máquina que estava colhendo turfa. Os restos mortais, datados de 2.300 anos, consistiam em cabeça, pescoço, braços, tronco e abdômen superior. É provável que a máquina de colheita de turfa tenha sido responsável por cortar a parte inferior de seu corpo. Estima-se que ele tinha entre 24 e 40 anos quando morreu. Os detalhes visíveis do Homem Clonycavan são surpreendentes. Sua altura estimada era de cinco pés e duas polegadas de altura. Seu nariz estava esmagado e seus dentes tortos. Os poros de sua pele ainda eram visíveis e concluiu-se que sua dieta consistia principalmente de frutas e vegetais. Devido aos danos da máquina de colheita de turfa, o Homem Clonycavan não tinha mãos, mas descobriu-se que outros corpos de pântano tinham unhas muito bem cuidadas.

Perto das unhas bem preservadas do Velho Croghan. Fonte da imagem.

Uma das características mais marcantes do Homem Clonycavan era seu cabelo. No rosto, ele usava cavanhaque e bigode, enquanto na cabeça havia um penteado muito distinto. A frente de seu cabelo estava raspada, dando a ele uma linha mais alta na testa. O restante de seu cabelo tinha vários centímetros de comprimento e estava intrincadamente dobrado para a frente e para trás no que foi descrito como um "antigo moicano". Acredita-se que, com apenas cinco pés e duas polegadas, o Homem Clonycavan escolheu esse penteado para parecer mais alto. Os cientistas até descobriram uma forma antiga de gel de cabelo em seu cabelo, feito de óleo vegetal e resina de pinheiro. A presença deste gel de cabelo indica que ele foi bastante rico durante sua vida, porque foi feito de materiais encontrados na França e na Espanha.

O Homem Clonycavan é conhecido por seu penteado distinto.

O aspecto mais misterioso do Homem Clonycavan é a maneira como ele morreu. Alguns sugeriram que ele era um rei, que foi sacrificado cerimoniosamente. Os ferimentos em seu corpo sugerem uma morte particularmente terrível, que pode ter sido o resultado de tortura. Há evidências de três golpes significativos na cabeça, a ponto de seu crânio se partir. Ele também foi atingido no nariz e no peito e foi estripado. Seus mamilos foram cortados, o que é especificamente considerado um sinal de um reinado fracassado. Na Irlanda antiga, chupar os mamilos de um rei era um sinal de submissão. A remoção dos mamilos tinha a intenção de tornar um homem incapaz de ser rei.

Infelizmente, o pântano apenas preserva o corpo e não deixa muitas outras evidências. Embora seja bastante claro que ele teve uma morte misteriosa, possivelmente semelhante a um assassinato, não há muito mais a nos dizer sobre quem ele era ou por que morreu. A preservação de seu corpo não foi intencional, e é improvável que alguém tenha pretendido que civilizações futuras tentassem desvendar o mistério de sua morte.

Imagem em destaque: Homem Clonycavan. CC by SA 2.0

Fontes:

The Peat Men from Clonycavan and Oldcroghan - British Archaeology

Clonycavan and Old Croghan Men - Revista Arqueologia

"Homens do pântano" assassinados encontrados com gel de cabelo e unhas bem cuidadas - National Geographic

Homem Clonycavan - Wikipedia

Bog Body - Wikipedia

Por M R Reese


Homem Clonycavan: um mistério de assassinato de 2.300 anos - História

Paleontologia e Arqueologia outubro de 2014


Círculos de pedra antiga deixam os arqueólogos intrigados com a ciência viva - 30 de outubro de 2014

Enormes círculos de pedra no Oriente Médio foram fotografados de cima, revelando detalhes de estruturas envoltas em mistério por décadas. Arqueólogos na Jordânia tiraram imagens aéreas de alta resolução de 11 antigos "Grandes Círculos", todos, exceto um, com cerca de 400 metros (1.312 pés) de diâmetro. Por que eles são tão semelhantes é desconhecido, mas a semelhança parece muito perto de ser uma coincidência ", disse o pesquisador David Kennedy. Os Grandes Círculos (como os arqueólogos os chamam) foram construídos com paredes de pedra baixas que não têm mais do que alguns metros de altura. os círculos originalmente não continham aberturas e as pessoas teriam que pular as paredes para entrar.


Clonycavan Man: A 2.300-Year-Old Murder Mystery Epoch Times - 28 de outubro de 2014

Em março de 2003, o corpo de um homem que viveu durante a Idade do Ferro foi descoberto em um pântano de turfa na Irlanda. Conhecido como o Homem Clonycavan, os restos bem preservados indicam que o corpo não era de um homem que morreu de uma morte natural ou honrosa, mas de alguém que foi brutalmente assassinado. Os mistérios que cercam sua morte são abundantes. Quem foi este homem? Por que ele foi assassinado de forma tão brutal? Como seu corpo ficou tão bem preservado por tantos anos? E qual é o significado de seu cabelo bem cuidado?


Achado astronômico: uma das primeiras representações gregas da ciência ao vivo das constelações - 27 de outubro de 2014

Uma taça de vinho com duas alças de 2.600 anos, atualmente em exibição no Museu Arqueológico de Lamia, na Grécia, há muito tempo foi pensada para representar uma variedade aleatória de animais. Mas a peça de cerâmica antiga, chamada de skyphos, pode na verdade conter uma das primeiras representações gregas das constelações, mostra uma nova análise. Os pesquisadores do estudo sugeriram que outras representações artísticas antigas de animais também podem retratar constelações e conter pistas sobre o que os primeiros gregos sabiam sobre astronomia, disse o pesquisador John Barnes, um doutorando em arqueologia clássica da Universidade de Missouri.

Vista lateral e close-up

Os cientistas estão próximos da datação precisa do Ídolo de Shigir, duas vezes mais antigo que as pirâmides egípcias. O Idol é a estátua de madeira mais antiga do mundo, estimada como tendo sido construída há aproximadamente 9.500 anos, e preservada como se estivesse em uma cápsula do tempo em um pântano de turfa na orla oeste da Sibéria. A especialista Svetlana Savchenko, guardiã-chefe do Shigir Idol, acredita que as faces da estrutura carregam informações codificadas do homem antigo da era mesolítica da Idade da Pedra a respeito de sua compreensão da "criação do mundo". Os cientistas alemães estão agora perto de uma datação precisa - dentro de cinco décadas - do notável artefato, que é um exemplo impressionante da criatividade do homem antigo. Os resultados devem ser conhecidos no final de fevereiro ou início de março, pode revelar o The Siberian Times. Agora a questão está mudando entre os acadêmicos para uma melhor compreensão dos símbolos e pictogramas neste majestoso Ídolo lariço, um dos grandes tesouros da Rússia, que agora está em exibição um sarcófago de vidro especial em sua casa permanente, o Museu de História de Yekaterinburg, onde Savchenko é o veterano investigador.


A última língua hieroglífica na Terra e uma cultura antiga que luta para sobreviver aos tempos de épocas - 22 de outubro de 2014

Os símbolos Dongba são um antigo sistema de glifos pictográficos criado pelo fundador da tradição religiosa Bon do Tibete e usado pelo povo Naxi no sul da China. Registros históricos mostram que essa escrita única foi usada já no século 7, durante o início da Dinastia Tang, no entanto, pesquisas realizadas no ano passado mostraram que suas origens podem remontar a 7.000 anos atrás. Incrivelmente, os símbolos Dongba continuam a ser usados ​​pelos anciãos do povo Naxi, tornando-o a única linguagem hieroglífica usada no mundo hoje. O povo Naxi viveu na bela província montanhosa de Yunnan ( sul das nuvens ) por milhares de anos, onde desenvolveram sua própria cultura rica e duradoura. Hoje, a maioria dos 270.000 Naxi vivem no condado de Lijiang, onde mantêm muitas de suas antigas tradições.


Código misterioso de 4.000 anos, 'CD-ROM' que quebrou a descoberta - 23 de outubro de 2014

Um disco de argila queimada do Segundo Milênio a.C. pode finalmente ter decodificado algumas de suas marcações. O misterioso Disco de Phaistos, encontrado em 1908 em um palácio chamado Phaistos na ilha de Creta, contém símbolos em ambos os lados, em uma configuração em espiral que deve ser lida de fora para o centro. Estima-se que até hoje seja cerca de 1.700 a.C. Por mais de um século, os cientistas vêm tentando decodificar o significado por trás dos símbolos, e agora o Dr. Gareth Owens, do Instituto Educacional Tecnológico de Creta, diz que descobriu algumas de suas palavras-chave e a mensagem geral que elas transmitem. Usando grupos específicos de símbolos, Owens diz que um lado do disco contém a expressão traduzida "grande senhora importante", enquanto o outro usa a expressão "mãe grávida". Um lado, diz Owens, é dedicado a uma mulher grávida e o outro a uma parturiente.


Cabeça de esfinge desaparecida encontrada na ciência ao vivo da tumba da Grécia Antiga - 22 de outubro de 2014

Arqueólogos descobriram a cabeça perdida de uma das duas esfinges de mármore que guardava uma enorme tumba macedônia em escavação em Anfípolis, Grécia. A cabeça da estátua tem cabelos ondulados que caem sobre o ombro esquerdo e traços de tinta vermelha, de acordo com uma atualização ontem (21 de outubro) do Ministério da Cultura grego. Os escavadores também encontraram fragmentos das asas quebradas do par de esfinges que estão na entrada da tumba. Cercado por uma parede de mármore de 490 m de perímetro, o monumental túmulo em Anfípolis, no norte da Grécia, pode ser o maior de seu tipo no mundo grego. Os arqueólogos que lideram a escavação em andamento ainda não determinaram quem está enterrado na tumba (ou se está intacta), mas eles acreditam que o complexo remonta ao século IV a.C., durante a era de Alexandre, o Grande.


A 'autópsia virtual' de King Tut revela surpresas CNN - 22 de outubro de 2014

Os restos mumificados e dourados do rei Tutancâmon contam apenas uma história parcial de um antigo rei egípcio que morreu em circunstâncias misteriosas.


Rara inscrição Hailing Emperor Adriano desenterrada em Jerusalém Live Science - 21 de outubro de 2014

Uma grande laje de calcário recém-descoberta com uma homenagem oficial ao imperador romano Adriano pode ajudar os pesquisadores a entender os eventos que levaram à revolta de Bar Kokhba no início do século II, disseram os especialistas. A descoberta é rara e tremenda, e pode ser uma das inscrições em latim mais importantes já descobertas em Jerusalém, disseram os pesquisadores. No entanto, a pedra fragmentada serviu a mais de um propósito ao longo dos tempos. Depois que antigos funcionários inscreveram a comemoração, outros reciclaram o calcário e o usaram para construir uma cisterna, um recipiente para armazenar água.


Em fotos: Templo pré-histórico descoberto na Ucrânia Live Science - 20 de outubro de 2014
O templo mede 60 por 20 metros (197 por 66 pés) e era feito de madeira e argila. Originalmente com dois andares de altura, era cercado por um pátio com galerias. O templo e o assentamento foram queimados após serem abandonados. (Crédito da foto: cortesia de Nataliya Burdo e Mykhailo Videiko / Instituto de Arqueologia NAS da Ucrânia, Kiev.)


Antiga cidade governada pelos herdeiros de Genghis Khan é desenterrada na Rússia NBC - 25 de outubro de 2014
Restos de uma cidade de 750 anos, fundada pelos descendentes de Genghis Khan, foram desenterrados ao longo do rio Volga, na Rússia. Entre as descobertas estão dois templos cristãos, um dos quais com esculturas em pedra e cerâmicas finas. O nome da cidade era Ukek e foi fundada poucas décadas depois da morte de Genghis Khan em 1227. Após a morte do grande conquistador, seu império se dividiu e seu neto Batu Khan, que viveu de 1205 a 1255, fundou a Horda de Ouro (também chamada de o Kipchak Khanate). O reino da Horda Dourada se estendia da Europa Oriental à Ásia Central e controlava muitas das rotas comerciais da Rota da Seda que conectavam a China à Europa Medieval.


Os EUA devolvem artefatos antigos contrabandeados para o Peru BBC - 24 de outubro de 2014

Os EUA devolveram cerca de 20 artefatos antigos - alguns com mais de 1.800 anos - ao Peru. Os objetos incluem cerâmica e peças saqueadas de antigos túmulos peruanos que datam de antes da chegada dos espanhóis no século XVI. Eles foram encontrados durante quatro investigações separadas ao longo de vários anos pelo serviço de alfândega dos EUA.


Drones de alta tecnologia oferecem aos arqueólogos uma visão panorâmica do passado NBC - 25 de outubro de 2014
Talvez tudo o que Indiana Jones precisasse fosse um bom chapéu e um chicote, mas se ele visse o que os arqueólogos estão usando hoje em dia, até ele poderia ficar com ciúme. De drones que executam varreduras 3-D de alta fidelidade até aplicativos que vasculham automaticamente os dados de satélite em busca de locais desconhecidos, o passado nunca pareceu mais futurístico.


Dois navios de batalha da Segunda Guerra Mundial descobertos na Carolina do Norte Live Science - 22 de outubro de 2014
Dois navios da Segunda Guerra Mundial que afundaram momentos um do outro 72 anos atrás foram redescobertos no fundo do Oceano Atlântico, descansando a apenas algumas centenas de metros um do outro. O cargueiro mercante aliado Bluefields e o submarino alemão U-576 afundaram em 15 de julho de 1942, como parte da batalha maior do Atlântico que durou toda a guerra. Os naufrágios foram encontrados por uma equipe de pesquisadores da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA) e do Bureau of Ocean Energy Management.


DNA revela segredos da pioneira humana BBC - 23 de outubro de 2014

A análise do DNA de um humano de 45.000 anos ajudou os cientistas a identificar quando nossos ancestrais cruzaram com os Neandertais. A sequência do genoma de um osso da coxa encontrada na Sibéria mostra que o primeiro episódio de mistura ocorreu entre 50.000 e 60.000 anos atrás. O caçador masculino é um dos primeiros humanos modernos descobertos na Eurásia. O estudo publicado na revista Nature também apóia a descoberta de que nossa espécie emergiu da África cerca de 60.000 anos atrás, antes de se espalhar pelo mundo. A análise levanta a possibilidade de que a linhagem humana surgiu pela primeira vez milhões de anos antes das estimativas atuais.


Neandertais e humanos se acasalaram pela primeira vez há 50.000 anos, DNA Reveals Live Science - 23 de outubro de 2014
O DNA de um osso de 45.000 anos de um homem da Sibéria está ajudando a identificar quando os humanos modernos e os neandertais se cruzaram pela primeira vez, dizem os pesquisadores. Embora os humanos modernos sejam a única linhagem humana sobrevivente, outros já viveram na Terra. Os parentes extintos mais próximos dos humanos modernos foram os neandertais, que viveram na Europa e na Ásia até sua extinção há cerca de 40.000 anos. Descobertas recentes revelaram que os neandertais cruzaram com ancestrais dos humanos modernos quando os humanos modernos começaram a se espalhar para fora da África - 1,5 a 2,1 por cento do DNA de qualquer pessoa que vive fora da África hoje é de origem neandertal.


Myth Busted: Ancient Humans May Not Be Be Redheads Live Science - 22 de outubro de 2014

Os humanos antigos encontrados com cabelos ruivos não eram necessariamente ruivos em vida, mas podem ter adquirido as pontas das cenouras após a morte, descobriu um novo estudo. Uma equipe de pesquisadores examinou os processos que degradam os bloqueios, desde a exposição aos poderosos raios do sol ou sendo comidos por micróbios. Esses processos, muitos dos quais começam enquanto uma pessoa ou animal ainda está vivo, podem deixar o cabelo com uma tonalidade avermelhada não natural. As descobertas são importantes não apenas para a arqueologia, mas também para os esforços de conservação e investigações forenses, de acordo com o estudo publicado em 21 de outubro na revista Proceedings of the Royal Society B.


'O Hobbit' faz 10 anos: descubra a história humana reescrita BBC - 20 de outubro de 2014

A afirmação é feita pelo Prof Richard Roberts, que estava entre aqueles que publicaram detalhes do "Hobbit". Acredita-se que o primeiro humano tenha vivido há 20.000 anos e, portanto, caminhou pela Terra ao mesmo tempo que nossa espécie. A descoberta do Hobbit confirmou a visão de que a Terra já foi povoada por muitas espécies de humanos.


Mamutes nadadores venceram humanos para a ciência ao vivo na Califórnia - 23 de outubro de 2014

Uma presa fóssil resgatada do mar prova que os mamutes nadaram para as Ilhas do Canal do sul da Califórnia muito mais cedo do que se pensava. O novo fóssil é uma das duas presas recentemente descobertas que desafiam a ideia de que a mudança climática matou os mamutes pigmeus das Ilhas do Canal. As bestas diminutas desapareceram das ilhas há cerca de 12.000 anos. A maioria dos pesquisadores culpa o aquecimento do clima da Terra ou a chegada de humanos às ilhas pela morte do mamute, disse ele. Mas os mamutes pigmeus provavelmente sobreviveram a uma mudança climática mais quente e severa há cerca de 125 mil anos.


Mistério de dinossauro com braços gigantes resolvido BBC - 22 de outubro de 2014

Por meio século, tudo o que se sabia sobre esse dinossauro era que ele tinha antebraços enormes, medindo 2,4 m de comprimento (8 pés) e com três garras gigantes na ponta. Seu nome Deinocheirus mirificus significa mãos incomuns e horríveis. Em várias reconstruções, ele foi imaginado como qualquer coisa, desde um predador do tipo T. rex agarrando a presa com suas garras até um alpinista gigante parecido com uma preguiça, usando seus braços para se pendurar em árvores. Mas a descoberta de dois esqueletos quase completos na Mongólia finalmente pôs fim a essa especulação. A equipe de pesquisa internacional diz que o animal era muito grande, medindo cerca de 11 metros (36 pés) de comprimento e pesando seis toneladas. Ele tinha uma cabeça alongada com um bico em forma de pato e uma grande vela corcunda nas costas.


Cangurus gigantes extintos, provavelmente não saltaram da ciência ao vivo - 15 de outubro de 2014

Os ancestrais dos cangurus modernos, marsupiais gigantes com rostos de coelho, podem ter caminhado eretos sobre os dois pés, sem qualquer salto, descobriu um novo estudo. Essas criaturas enormes, parte da família extinta de cangurus estenurinos, perambulavam pelo sertão australiano entre cerca de 100.000 e 30.000 anos atrás. Mas eles provavelmente eram ruins, disse a pesquisadora Christine Janis, professora de ecologia e biologia evolutiva da Brown University, em Rhode Island.


Homossexualidade e o abuso da psicologia

A homossexualidade ao longo da história tem sido uma questão de ocultar, adaptar ou arriscar uma expressão aberta de sua sexualidade. Nos últimos cem anos, ela se chocou de frente com a ciência relativamente nova da psicologia.

Meus pais trabalharam em cuidados psiquiátricos na década de 1960 e eu me lembro de um livro específico que eles tinham sobre gays chamado & # 8211 The Homosexual Outlook. Foi um trabalho clássico de psicologia do pós-guerra que seria motivo de riso agora & # 8211 pela maioria das pessoas.

Aquele livro de psicologia sobre homossexualidade tinha um capítulo involuntariamente hilário intitulado Na rua mais gay da cidade e detalhou, como se descrevesse os rituais de acasalamento de uma espécie animal, como os gays se relacionam.

Dois estranhos se aproximam cautelosamente e, em seguida, um camarada pode dizer & # 8211 & # 8216dizer, camarada, você tem tempo? & # 8217 Aparentemente, eles analisariam como a outra pessoa estava segurando o cigarro e, com base nisso, decidiriam se deve levar as coisas mais longe!

Ironicamente, este estudo de psicologia de 1953 foi na verdade uma defesa da homossexualidade & # 8211, mas você & # 8217d luta para pensar assim hoje. Esta foi uma época em que os gays americanos ainda estavam firmemente no armário, com algumas exceções heróicas. E o mundo da psiquiatria ainda tratava os relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo como um transtorno.

Psicologia precoce e homossexualidade

Volte mais 50 anos e você terá o trabalho mais vendido em psiquiatria & # 8211 Degeneração & # 8211 por Max Nordau. Ele achava que os seres humanos estavam se degenerando gradativamente com a urbanização.

Escrevendo na década de 1890, quando a Europa estava passando por um boom cultural e artístico, tudo o que Nordau pôde ver foi a decadência e a destruição das mentes humanas. E ele viu a exibição aberta da homossexualidade como uma grande parte do problema.

Ele tinha vários alvos e um deles era & # 8211 Oscar Wilde. Nordau ficou particularmente ofendido por Wilde ter & # 8220 caminhado pelo Pall Mall (uma rua sofisticada em Londres) à tarde vestido com gibão e calça com uma bireta pitoresca na cabeça e um girassol na mão & # 8221.

Nordau & # 8211 falando por muitos camaradas conservadores no mundo da psicologia & # 8211 com raiva rejeitou essa expressão muito visível da homossexualidade como & # 8220 ego mania anti-social & # 8221.

Vestir-se só por vestir é uma doença mental!

Em um abuso psicológico bastante curioso, Nordau tenta argumentar que a vestimenta humana visa principalmente excitar o sexo oposto a fim de encorajar a procriação.

Como Wilde está se vestindo apenas para irritar as pessoas, ele & # 8220 demonstra uma perversão do instinto de vaidade & # 8221. Diga essa frase com um sotaque germânico e você capturará o sabor de Nordau!

Psicologia versus homossexualidade de Oscar Wilde

E ele continua: & # 8220Oscar Wilde aparentemente admira a imoralidade, o pecado e o crime & # 8221. Nordau ficou particularmente chocado quando Wilde foi questionado sobre o assassinato na vida real de uma mulher chamada Helen Abercrombie, ele alegremente comentou: & # 8220Sim, foi uma coisa terrível de se fazer & # 8211, mas ela tinha tornozelos muito grossos & # 8221.

Ele atribui tudo isso ao ego descontrolado de Wilde & # 8217s e & # 8211 em uma observação mais sinistra & # 8211 diz que Wilde & # 8220 é uma aberração patológica de um instinto racial & # 8221.

Na verdade, Nordau não era um grande psiquiatra. Na verdade, ele era um esnobe e fanático conservador que ocultou seus preconceitos na ciência da psicologia que estava por vir.

Mas, incrivelmente, até a década de 1960, a homossexualidade ainda era vista como um transtorno mental, com alguns ligando-a ao narcisismo e a um ego disfuncional. A American Psychiatric Association votou apenas em 1973 para desclassificar os relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo como uma doença mental.

E, incrivelmente, a Organização Mundial da Saúde apenas removeu a homossexualidade de sua classificação da CID em 1992. CID significa & # 8220ego-orientação sexual distônica & # 8221.

Nordau teria aprovado essa classificação! Mas, felizmente, o mundo da psicologia consertou suas pontes hoje em dia com a realidade da homossexualidade.


Nome da imagem: The Bog Bodies 2 Descrição: The Bog Bodies Direito autoral: © RTÉ Stills Library RTÉ. Esta imagem pode ser reproduzida em formato impresso ou eletrônico apenas para fins promocionais. Qualquer uso posterior desta imagem deve ser renegociado separadamente com a RTÉ. O uso está sujeito a uma taxa a ser acordada de acordo com a tabela de preços atual da RTÉ Stills Library. Nome da imagem: The Bog Bodies 1 Descrição: The Bog Bodies Direito autoral: © RTÉ Stills Library RTÉ. Esta imagem pode ser reproduzida em formato impresso ou eletrônico apenas para fins promocionais. Qualquer outro uso desta imagem deve ser renegociado separadamente com a RTÉ. O uso está sujeito a uma taxa a ser acordada de acordo com a tabela de preços atual da RTÉ Stills Library. Nome da imagem: The Bog Bodies 4 Descrição: The Bog Bodies Direito autoral: © RTÉ Stills Library RTÉ. Esta imagem pode ser reproduzida em formato impresso ou eletrônico apenas para fins promocionais. Qualquer uso posterior desta imagem deve ser renegociado separadamente com a RTÉ. O uso está sujeito a uma taxa a ser acordada de acordo com a tabela de preços atual da RTÉ Stills Library. Nome da imagem: The Bog Bodies 3 Descrição: The Bog Bodies Direito autoral: © RTÉ Stills Library RTÉ. Esta imagem pode ser reproduzida em formato impresso ou eletrônico apenas para fins promocionais. Qualquer uso posterior desta imagem deve ser renegociado separadamente com a RTÉ. O uso está sujeito a uma taxa a ser acordada de acordo com a tabela de preços atual da RTÉ Stills Library.

Quarta-feira, 19 de julho, 22h30

FACTUAL: Quando a patologista estadual Dra. Marie Cassidy foi chamada para investigar dois assassinatos brutais, seu trabalho foi mais difícil do que o normal. O assassinato

Quando dois corpos foram descobertos nas turfeiras pré-históricas da Irlanda, há apenas dois anos, foi a primeira descoberta desse tipo em mais de cinquenta anos. Mas quem eram esses homens? E como eles morreram?

No final de 2004, em áreas remotas de fazendas perto de Dublin, duas descobertas horríveis foram feitas, descobertas que surpreenderiam a comunidade arqueológica mundial. Dois corpos antigos foram escavados em um pântano de turfa pré-histórico, ambos perfeitamente preservados, mas com sinais de mortes violentas. Um corpo foi decapitado e perdeu ambas as pernas, o outro foi atacado brutalmente - seu crânio e rosto esmagados por uma arma afiada, sua parte inferior do corpo também estava faltando.

Esses dois visitantes de outra época estavam agora sob o escrutínio da ciência e da tecnologia do século XXI. Nada tinha sido visto assim antes. Com apenas um corpo de pântano encontrado nos últimos cinquenta anos, os especialistas em restos humanos haviam perdido a esperança de encontrar mais - até agora. Encontrar um corpo teria sido notável; encontrar dois era surpreendente e sem precedentes ou paralelos.

E assim uma equipe de especialistas se reuniu para examinar as evidências, incluindo o professor Don Brothwell, um especialista mundial em corpos de pântano, o cientista dinamarquês Dr. Neils Lynnerup especializado em reconstrução de múmias em CG e a patologista do estado da Irlanda, Dra. Marie Cassidy.

Funcionários do Museu Nacional da Irlanda tiveram um papel fundamental na investigação. Entre eles estava Isabella Mullhall, uma jovem arqueóloga do Museu Nacional da Irlanda. Por 18 meses, The Bog Bodies acompanhou Isabella em cada etapa de sua investigação única sobre os segredos sombrios do passado de nossos ancestrais.
Isabella suspeita que os corpos sejam celtas e tenham aproximadamente 2.000 anos.

Mas quem são eles? Por que eles morreram? E como?

VOCÊ SABIA?
A análise forense é crucial para reunir evidências. Cada parte dos corpos de pântano restantes fornece pistas de que o conteúdo do estômago revelará o que os homens comiam antes de morrerem. As moléculas em seus cabelos estabelecem seu estado de saúde e seus terríveis ferimentos permitem uma reconstrução gráfica de sua morte.

Foto: Homem Clonycavan, um dos corpos descobertos recentemente. Ele foi amarrado, torturado e cruelmente assassinado. A princípio, ele parecia ter cerca de 3 dias de idade. Na verdade, ele datou de vários milhares de anos. Uma reação química em suas sepulturas pantanosas significou que vários milênios após esses assassinatos brutais, os cientistas forenses poderiam tratar o caso como se tivesse acontecido ontem, examinando cada detalhe da carne, cabelo e tecidos moles em busca de pistas sobre as vidas e mortes desses dois homens.

Foto: A cabeça preservada do homem Clonycavan, de 2.300 anos, no pântano irlandês.

Foto: Isabella Mulhall, coordenadora do Irish Bog Bodies Project e Rolly Read Head of Conservation, ambos do Museu Nacional da Irlanda com o corpo desmembrado do pântano Oldcroghan Man.

Foto: A mão do Velho Çroghan Man. Atrás está a coordenadora do Irish Bog Bodies Project, Isabella Mulhall, do National Museum of Ireland.


Baixe Agora!

Nós facilitamos para você encontrar um PDF Ebooks sem qualquer escavação. E tendo acesso aos nossos e-books on-line ou armazenando-os em seu computador, você tem respostas convenientes com Murder On The Old Bog Road Gripping Irish Crime Fiction. Para começar a encontrar Murder On The Old Bog Road agarrando a ficção criminal irlandesa, você está certo em encontrar nosso site, que tem uma coleção abrangente de manuais listados.
Nossa biblioteca é a maior delas, com literalmente centenas de milhares de produtos diferentes representados.

Finalmente recebo este e-book, obrigado por todas essas Ficção Criminal Irlandesa de Assassinato na Estrada do Pântano Velho que posso pegar agora!

Eu não pensei que isso iria funcionar, meu melhor amigo me mostrou este site, e funciona! Eu recebo meu e-book mais procurado

wtf este ótimo ebook de graça ?!

Meus amigos estão tão bravos que não sabem como eu tenho todos os e-books de alta qualidade, o que eles não sabem!

É muito fácil obter e-books de qualidade)

tantos sites falsos. este é o primeiro que funcionou! Muito Obrigado

wtffff eu não entendo isso!

Basta selecionar o seu clique e, em seguida, o botão de download e preencher uma oferta para começar a baixar o e-book. Se houver uma pesquisa que leve apenas 5 minutos, tente qualquer pesquisa que funcione para você.


Corpos de pântano: uma conexão humana real com nosso passado antigo

Ver a mão relaxada de um homem reclinado não é nada especial ... a menos que tenha 2.400 anos e esteja em exibição em uma caixa de vidro de museu. Esta mão incrivelmente bem preservada e o torso de aparência coriácea ao qual está presa pertencem ao Homem Oldcroghan. Datado por volta de 300 a.C., ele é um dos famosos corpos de turfa em exibição no Museu Nacional da Irlanda em Dublin.

Mesmo sendo um pouco mórbido, acho os corpos dos pântanos fascinantes. Ao contrário das ruínas de pedra e artefatos de museu, os corpos dos pântanos são uma conexão muito humana com nosso passado antigo. Eram pessoas como nós que viviam o dia-a-dia em um mundo incerto, mas tiveram a infelicidade de terminar seus dias preservados para a eternidade em um pântano irlandês.

Este é o Homem Tollund: outro famoso pântano descoberto na Dinamarca. Seu queixo com a barba por fazer realmente traz para casa o estado de preservação e bigodes de 2.000 anos de idade!

As turfeiras são um laboratório natural para alguns experimentos químicos estranhos. Sua combinação de condições frias, úmidas, ácidas e sem oxigênio não apenas impede a decomposição, mas os torna o lugar perfeito para preservar a pele, o cabelo e os órgãos internos humanos. O processo químico é complexo e, por mais assustador que pareça, os ossos são dissolvidos e os corpos são “bronzeados” & # 8211 semelhante ao processo usado para criar couro tradicional de pele de animal.

“Metade terra, metade água e abertos para os céus, eles eram terras fronteiriças para o além. Para essas pessoas, os fogos-fátuos - luzes bruxuleantes e fantasmagóricas que se afastam quando se aproximam - não eram os efeitos do gás do pântano causados ​​pela vegetação em decomposição. Eles eram fadas. ” & # 8211Smithsonian Magazine

Muito do que sabemos sobre corpos de pântano é baseado em suposições e conjecturas científicas, e talvez nunca tenhamos uma compreensão clara de quem eles eram ou por que acabaram em uma sepultura aquosa. Mas, devido ao seu incrível estado de preservação, esses vestígios deixaram pistas sobre as pessoas e a vida da época.

Requer equipes de cientistas treinados, mas técnicas modernas e análises detalhadas ajudam a tirar conclusões específicas sobre o corpo: sexo, idade, saúde, dieta, status social e causa da morte. O conteúdo estomacal perfeitamente preservado do Homem Clonycavan indicou não apenas o que ele comeu em sua última refeição, mas os grãos e sementes específicos nos dizem que época do ano ele morreu. Além disso, seu penteado extraordinário, mantido no lugar por um gel feito de uma resina da França ou da Espanha, significava que ele era uma pessoa de alto status.

Vinte por cento da Irlanda é coberta por pântanos e, com sua longa história de colheita de turfa para combustível, várias descobertas foram feitas lá. Mas os arqueólogos dos pântanos tiveram sucesso em todo o norte da Europa e, estranhamente, muitos dos corpos tiveram uma morte muito violenta.

De acordo com o cartaz da exposição do museu, o Homem Clonycavan foi “morto por uma série de golpes na cabeça, provavelmente por um machado. Ele também sofreu um corte de 40 cm de comprimento no abdômen, sugerindo estripamento. ”

Outros corpos foram estrangulados, enforcados, esfaqueados e golpeados na cabeça: um verdadeiro menu de assassinos. Na comunidade profissional, essa selvageria horrível é chamada de "exagero" e é um dos maiores mistérios que os cientistas enfrentam. Por que exatamente essas mortes da Idade do Ferro foram tão violentas? Foi uma lição dura para outros criminosos, um sacrifício ritual para apaziguar os deuses ou apenas um assassinato brutal?

Foto do corpo de pântano in situ Nederfrederiksmose Man, também conhecido como Frederiksdal Man e Kragelund Man, encontrado em 25 de maio de 1898 em Fattiggårdens mose perto da vila Kragelund, a noroeste de Silkeborg, Dinamarca. A descoberta data de 1099 DC. Esta imagem foi tirada em 1898 durante a escavação, tornando-a com mais de 100 anos. It is the first known photo of a bog body.

In our world wetlands are considered an essential component for maintaining a healthy environment. But obviously, in our ancient past bogs were powerful and mysterious places for very different reasons. And though we may never solve the mystery, it’s an intriguing part of our history, and the real human connection makes it even more meaningful.

Happy Trails and Good Health,

Right hand of the Danish bog body known as Grauballe Man, discovered in 1952.


Amongst the solitary bodies found scattered across the peat bogs of Europe are a number of adult women. The oldest female bog body is Luttra woman, a Scandinavian woman dating from the Copper Age between 3105 and 2935BC. Luttra woman was in healthy when she died. Although most of her soft tissues have gone, her stomach remained, preserving her last meal of raspberries, suggesting she died in late summer.

Luttra woman was around 20-25 years old when she died. Some of the female bog bodies, however, were younger. When she died in the Netherlands sometime between 54Bc and 128AD, Yde girl was only sixteen years old. However, the youngest bog body was Rost Girl from Germany. Discovered in 1926, she died around 200BC when she was just three years old. Her remains were lost during the Second World War, so no further information is known about her death. However, other, if slightly older children have also been found in the bogs.

Kayhausen boy was between 7-8 years of age when he was discovered in a bog in Lower Saxony, Germany. The child suffered from an infected hip that would have disabled him. His end was not kind. Although he was wrapped in a woolen shawl and the remains of a calfskin cloak before burial in the bog, someone had stabbed Kayhausen boy to death.

Kayhausen&rsquos death has only ever been seen as tragic. However, some of the female bodies have been ‘romanticized,&rsquo with their remains being linked to myths and legends until science revealed the truth. Peat cutters discovered the well-preserved body of Haraldskjaer woman in 1835. The body was that of a well-preserved middle-aged woman, with high cheekbones and long dark hair who had been clamped to the bog by staves through her knees and elbows.

Imagination immediately took over. Danish Historian Niels Matthias Peterson declared the body to be that of the legendary Queen Gunhild of Norway who had died in the tenth century. Gunhild had reputedly married King Harald of Denmark but no sooner had she arrived at her new kingdom she was killed by him for her a cruel, domineering ways. However, once the body was dated, it became clear that the woman could not be Queen Gunhild- because she had died in 490BC.

The reanalysis of Haraldskjaer woman also revealed other interesting information about her life. For she had a connection with ‘foreign&rsquo places- as did other bog bodies.


4000 Year-Old Irish bog body is the oldest, probably suffered a violent death

Photos via the BBC, both of Cashel Man. The photo to the right is a CT scan of the remains to the left.

According to the BBC, “Cashel Man” is the mummified remains of a man who died a brutal death. The remains were discovered by a peat-cutter in the Cashel bog in Ireland’s County Laois in 2011. New research from the National Museum of Ireland suggests that the remains are 4,000 years old, which makes it the oldest “bog body” discovered, predating King Tut by about 500 years. I’m reading different coverage on this. The BBC has the most recent story and says it’s the “world’s oldest.” Earlier reporting says Cashel Man is “Europe’s oldest bog body with skin in tact” (Discovery News and LiveScience).

Cashel Man was a young adult male, who was killed and placed in the bog in a flexed position around 2,000 BC. About the time of his death, his arm was cut, and he was repeatedly stabbed in the back. Because they didn’t recover his head and chest, researchers cannot conclusively say what killed him.

Eamonn (Ned) Kelly, keeper of Irish antiquities at the National Museum of Ireland, argues that Cashel Man was a king who fell victim to human sacrifice. Kelly says that ancient Irish kings were held personally responsible for any natural disasters, dead crops or cattle, and could be sacrificed to the goddess and replaced-this had to be the hardest to recruit for. As evidence of this, Kelly points to the fact that Cashel Man was young (between 25 and 40 years old), and his body was found in a bog that formed a tribal boundary, near a hill where he would have been crowned.

Kelly claims this fits a pattern found in two other bodies, Clonycavan Man and Old Croghan Man, both on display at the National Museum of Ireland. Clonycavan Man died between 392 and 201BC, and suffered injuries to his skull and nose. Like Cashel Man, he was found by peat cutter, so his arms, hands, lower abdomen, and legs are missing. Old Croghan Man died between 392 and 201BC. This bog body has defensive wounds to his upper arm, has stabbed wounds in the chest and neck, was decapitated and cut in half. Due to this overkill researchers are missing most of his body, only his arms and chest were recovered. Kelly says both men had their nipples cut as part of the ritual sacrifice because sucking a king’s nipples was a gesture of submission in ancient Ireland. If the nipples were cut or removed, then he couldn’t rule.Wouldn’t bowing be easier? Kissing a ring?

There are a couple of issues with Kelly’s theory. First Cashal Man predates Clonyvacan Man and Old Croghan Man by 1500 years, and was likely part of a different culture. Cashel Man dates to the Bronze Age, while the latter two were part of the Celtic culture in Ireland, which emerged in the Iron Age around 500 BC. Also Cashel Man is missing his chest and nipples, so researchers don’t know if he suffered similar nipple wounds to Clonyvacan Man and Old Croghan Man.


DNA From a Cigarette Butt Leads to Arrest in a 25-Year-Old Murder Case

An Idaho man pleaded guilty to a 1992 murder case on April 12 after DNA from a cigarette butt linked him to another unsolved murder case.

Lee Miller, 54, was arrested on Jan. 2 based on DNA evidence that linked him to the murder of his 57-year-old friend Marilyn Hickey, said the Boise Police Department in a statement.

On Sept. 8, 1992, the bartender at Drift Inn Tavern had seen Hickey with a red-haired man. The duo had left the place after a game of pool at about 2 a.m.

Days later paramedics had to breach a window to reach inside Hickey’s studio apartment in Bremerton, Washington.

#BREAKING Lee Miller officially pleads guilty in the cold case murder of Marilyn Hickey in Bremerton in 1992. Now he heads to Idaho to plead guilty in the 1994 murder of Cheryle Barratt in Boise. 4pm on #komonewd pic.twitter.com/q1MavGykQW

— Keith Eldridge (@KeithKOMO4) April 12, 2019

They found her half-naked and strangled on her living room floor, reported the Washington Post.

For the next 25 years, police were unable to find the red-haired man present with Hickey at the bar. The police didn’t realize that all this time they had a clue inside their file.

Inside Hickey’s purse, police had found a phone number on a scrap of paper that turned out to be the contact of the red-haired man’s friend. This man, a McDonald’s employee by the name of Mike told police that he had introduced Miller to Hickey.

A cigarette butt and an old scrap of paper led to an arrest in a 26-year-old unsolved killing https://t.co/xbOKp7XfFf

— Jeffrey Levin (@jilevin) January 8, 2019

After this, another tipster told police that at times he saw Miller going home with Hickey. However, according to the Washington Post, the police were not able to connect these pieces of the puzzle early on in their investigation.

In 2017, Miller’s connection with Hickey’s murder case became clearer. His name surfaced again in the 1994 fatal stabbing and murder of a 49-year-old woman named Cheryle Barratt in Boise, Idaho.

In Barratt’s case, Miller’s name surfaced only after a confidential informant told police that Miller had admitted to killing Barratt. The police didn’t take it seriously and arrested another man who was released after two months due to a lack of evidence.

Boise man charged in 1992 Washington homicide, suspect in 1994 Boise cold case death – City of Boise – https://t.co/bQyxo1lbXO

— Baize&Graham (@8DropsOfBlood) January 6, 2019

During this time the detectives in Garland and Boise started to trace Miller’s movements. Unlike in the 1990s, DNA testing is available these days and the police wanted to collect his DNA. They waited until Feb. 1, 2018, when Miller walked out of his home smoking a cigarette and police picked up the cigarette butt he had tossed.

The DNA on the cigarette butt gave police the evidence that linked Miller to Hickey’s murder.

A motive behind the killing has yet not been discovered and Miller will next move to Idaho to plead guilty in Barratt’s killing, according to KOMO News.

DNA does it again. A man just pleaded guilty to a 1992 cold case murder in Bremerton. Lee Miller is also tied to a cold case killing in Boise.https://t.co/TeM7Y4T6jJ

— KOMO News (@komonews) April 13, 2019

That investigation is ongoing, said the police.

“This is a significant achievement for the Boise Police Department and the Bremerton Police Department, as we were able to use advancements in technology and coordinated investigative efforts to make strides in two decadeslong investigations,” said Boise Police Sgt. Justin Kendall in the statement.

“Our detectives have worked for years to make progress on these investigations to help find answers for our community and justice for the victims,” he said.


Assista o vídeo: Assassinatos do Passado 2016 FILME COMPLETO DUBLADO